Pular para o conteúdo principal

O papagaio gigante com força descomunal que viveu na Nova Zelândia


Paleontologistas encontraram fósseis de papagaio gigante na Nova Zelândia - PA MEDIA

Um papagaio gigante que percorria a Nova Zelândia há cerca de 19 milhões de anos tinha 1 m de altura, segundo um novo estudo - a altura média de um brasileiro gira em torno de 1,73 m.

Os restos do papagaio foram encontrados perto de St. Bathans, em Otago, região no sul da Nova Zelândia.

Dado seu tamanho, acredita-se que o papagaio tenha sido incapaz de voar e ser carnívoro, diferentemente da maioria das aves hoje em dia.

Um estudo sobre essa ave foi publicado nesta semana na revista científica Biology Letters.

Pesando pouco mais de 7 kg, o pássaro teria sido duas vezes mais pesado que o kakapo, o maior papagaio no mundo hoje, também endêmico na Nova Zelândia.

"Não há outros papagaios gigantes no mundo", disse à BBC o principal autor do estudo, Trevor Worthy, professor e paleontólogo da Universidade Flinders, na Austrália. "Esse achado é muito significativo."

Os paleontólogos apelidaram a nova espécie Heracles inexpectatus, em alusão a Héracles, nome grego dado ao semideus Hércules da antiga mitologia greco-romana, em razão de seu tamanho e força incomuns.

Os ossos - que inicialmente acreditava-se pertencerem a uma águia ou a um pato - ficaram guardados por 11 anos até o começo deste ano, quando uma equipe de paleontologistas decidiu reanalisá-los.

Worthy disse que um de seus alunos encontrou os ossos do papagaio por acaso em seu laboratório durante um projeto de pesquisa.

Força para rachar 'qualquer coisa'

O bico do papagaio era tão grande que "poderia rachar qualquer coisa pela frente", disse Mike Archer, da Paleontologia da Universidade de Nova Gales do Sul (UNSW),

Segundo Worthy, em entrevista à agência de notícias AFP, o papagaio "pode ​​ter comido até outros papagaios".


O papagaio gigante, batizado de Hércules, tinha quase metade da altura média de um brasileiro - PA MEDIA

No entanto, como provavelmente o papagaio não tinha predadores, é improvável que fosse agressivo, disse o pesquisador à BBC. Ele estima que o papagaio gigante se alimentava de sementes e nozes.

Paul Scofield, curador sênior de história natural do Museu de Canterbury, na Nova Zelândia, disse à AFP que os pesquisadores apostam que o animal não conseguia voar.

A descoberta de grandes aves não é incomum na Nova Zelândia, que abrigou a moa, uma espécie extinta cuja altura chegou a 3.6m (11ft8in).

St. Bathans, onde os ossos da perna do papagaio gigante foram escavados, é uma área conhecida por sua abundância de fósseis da época do Mioceno, que se estendeu de 23 milhões a 5,3 milhões de anos atrás.

"Mas até agora, ninguém jamais encontrou um papagaio gigante extinto - em qualquer lugar", disse Worthy à AFP.

"Temos escavado esses depósitos fósseis há 20 anos e, a cada ano, descobrimos novas aves e outros animais... Sem dúvida, há muitas outras espécies inimaginadas a serem descobertas."

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…