Pular para o conteúdo principal

Os ambiciosos planos da Agência Espacial Europeia para interceptar um cometa


'Vamos tentar visitar um cometa intocado pela primeira vez e aprender mais sobre as origens do nosso Sistema Solar'

Jonathan Amos
BBC News

A Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) quer lançar mais uma missão em direção a um cometa.

Após o bem-sucedido encontro da sonda Rosetta com o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko em 2014, as autoridades já escolheram qual será sua nova empreitada, a ser lançada em 2028.

Chamado Comet Interceptor ("Interceptador de Cometa", em tradução livre), o projeto tem como objetivo capturar e estudar um cometa que avança em direção ao Sol a partir dos confins do Sistema Solar.

A missão será conduzida a partir do Laboratório de Ciências Espaciais Mullard, no Reino Unido, e coordenada pela equipe de Geraint Jones, professor do centro de pesquisa da University College London (UCL).

A ideia é usar uma sonda três em um, formada por uma nave mãe e duas naves menores, que se separariam perto do cometa para realizar estudos diferentes, mas complementares.

O custo estimado para a ESA é de aproximadamente 150 milhões de euros - e, como é habitual, cada país membro vai fornecer a instrumentação e pagar a conta.


A sonda Rosetta passou dois anos orbitando o 67P, tirando milhares de fotos (ESA/ROSETTA/NAVCAM)

Agora, o projeto será submetido a um estudo de viabilidade com a indústria antes de o comitê voltar a se reunir formalmente para encampar a missão formalmente.

A intenção é lançar a sonda no mesmo foguete que o telescópio espacial da missão Ariel, da ESA, no fim da próxima década. O observatório não vai utilizar a capacidade total do veículo de lançamento - sendo assim, há uma sobra de massa e volume, disponíveis para fazer algo adicional.

É o destino de Ariel que faz do Interceptor uma possibilidade atraente.

O telescópio deve ser posicionado em um "ponto gravitacional ideal" a cerca de 1,5 milhão de quilômetros da Terra. É a posição ideal para estudar estrelas distantes e seus planetas - mas também representa uma "garagem" de resposta rápida para qualquer nova missão que esteja buscando uma janela de oportunidade.


Ilustração: o telescópio espacial Ariel vai estudar planetas em torno de outras estrelas (ESA/STFC RAL SPACE/UCL/EUROPLANET-SCIENCE OFFICE)

Os tipos de cometa que são alvo do Interceptor tendem a dar pouco "aviso prévio" da sua chegada ao Sistema Solar interno - talvez apenas de alguns meses.

Ou seja, não há tempo suficiente para planejar, construir e lançar uma espaçonave. Você precisa já estar posicionado lá, esperando a oportunidade.

É isso que o Interceptor pretende fazer - ficar posicionado no local ideal, monitorando pesquisas do céu para encontrar o alvo adequado. Quando esse objeto for identificado, a sonda partirá para encontrá-lo.

O encontro será muito diferente do protagonizado pela Rosetta com o 67P. O Interceptor não orbitará o cometa, apenas passará por ele - com sorte, não muito rápido.

Tampouco o Interceptor tentará repetir o pouso de Philae, o pequeno robô da sonda Rosetta.

Em vez disso, será função das naves menores ver se conseguem se aproximar um pouco mais do cometa do que a nave-mãe para adquirir informações mais detalhadas.

"A espaçonave principal tem a propulsão, a antena de alto ganho para falar com a Terra, e alguma instrumentação nela. Ela passa relativamente longe do cometa, cerca de 1.000 km mais ou menos acima do núcleo do objeto. Então nós enviamos duas sondas menores que chegam mais perto e fazem as observações de alto risco e alta recompensa ", afirmou Colin Snodgrass, da Universidade de Edimburgo, na Escócia, à BBC News.


Ilustração: o telescópio LSST procurará alvos em potencial (LSST)

Os cometas encontrados até agora de forma ativa por sondas espaciais têm sido os periódicos - aqueles que vêm e vão de tempos em tempos como parte de sua jornada ao redor do Sol e têm sua órbita influenciada pela força gravitacional dos planetas.

E como eles se aproximaram da nossa estrela em várias ocasiões, foram quimicamente alterados pelo calor, pelo bombardeamento de partículas e até mesmo por numerosos impactos com outros corpos celestes.

Em contrapartida, os cometas provenientes da chamada Nuvem de Oort - uma nuvem de corpos gelados que reside a centenas de bilhões de quilômetros do Sol - são impecáveis. E ver um destes de perto deve oferecer aos cientistas perspectivas completamente novas das condições que existiam no início do Sistema Solar e, potencialmente, em uma época ainda mais remota.

O risco para o Interceptor é que a sonda pode ficar estacionada por um bom tempo. O cometa da Nuvem de Oort vai precisar ter uma trajetória específica para ser acessível à missão. Uma boa amostra de candidatos estará inevitavelmente fora do alcance do sistema de propulsão da sonda.

Pelo lado positivo, novos observatórios baseados na Terra, como o Telescópio de Grande Observação Sinóptica (LSST, na sigla em inglês), serão ativados em breve. Esses estariam capacitados para detectar muito mais corpos celestes cruzando o céu.

"Sim, há o risco de acabarmos sentados lá, sem encontrar nada realmente conveniente", admite Mark McCaughrean, consultor da ESA para ciência e exploração.

"Mas no final você direcionaria para algo, e há alguns alvos já identificados."

Entre esses alvos, estão cometas periódicos como o 73P/Schwassmann-Wachmann - e foi uma das possibilidades consideradas pela sonda europeia Giotto na década de 1980.

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…