Pular para o conteúdo principal

Como asteroide que extinguiu dinossauros levou à multiplicação de espécies de sapo


A a rã-venenosa-preta-e-verde é nativa da América Central e da região noroeste da América do Sul (SCIENCE PHOTO LIBRARY)

A enorme diversidade de sapos que existe hoje é sobretudo uma consequência do asteroide que extinguiu os dinossauros, afirma um estudo.

A pesquisa diz que populações de sapos explodiram após a extinção dos dinossauros, há 66 milhões de anos.

Trata-se de uma contradição a evidências anteriores que sugeriram uma origem mais antiga de muitos grupos de sapos.

O trabalho, realizado por uma equipe de pesquisadores chineses e americanos, foi divulgado na publicação científica PNAS.

Os sapos se tornaram um dos grupos mais diversos de vertebrados, com mais de 6,7 mil espécies descritas. Mas a falta de dados genéticos dificultou as tentativas de determinar sua história evolutiva.

O novo estudo mostra que as três maiores linhagens de sapos modernos - que juntos correspondem a 88% das espécies de sapos - apareceram quase simultaneamente.


A rã-de-olhos-vermelhos faz parte do grupo de animais que aproveitaram ao máximo o ressurgimento das florestas após o asteroide (SCIENCE PHOTO LIBRARY)

Essa impressionante diversificação de espécies parece ter ocorrido logo após o choque do asteroide com a Terra, na região que hoje é conhecida como a costa da Península de Yucatán, no México.

Ao liberar um bilhão de vezes mais energia do que uma bomba atômica, o impacto eliminou três quartos da vida na Terra. Mas também parece ter estabelecido a base para o surgimento dos sapos.

Os cientistas recolheram uma amostra de 95 genes do DNA de 156 espécies de sapos.

Eles então combinaram esses dados com informações genéticas de 145 outras espécies para fazer uma "árvore genealógica" de sapos com base em suas relações genéticas.

Usando fósseis de sapo como "o verdadeiro embasamento" dos dados genéticos, os pesquisadores puderam criar um cronograma de sua árvore genealógica. Os três grandes grupos de sapos - Hyloidea, Microhylidae e Natatanura - têm suas origens na expansão que ocorreu há 66 milhões de anos.


O impacto do asteroide há 66 milhões de anos criou uma cratera de 180 km de diâmetro (SCIENCE PHOTO LIBRARY)

"Os sapos existem há mais de 200 milhões de anos, mas esse estudo mostra que foi com a extinção dos dinossauros que tivemos essa explosão de diversidade de sapos que resultou na maioria dos sapos que vemos hoje", disse David Blackburn, do Museu de História Natural da Flórida, um dos autores do estudo.

Blackburn disse que a velocidade com que os sapos se diversificaram depois do impacto sugere que os sobreviventes do asteroide provavelmente estavam ocupando outros nichos ecológicos.

O incidente de Chicxulub teria destruído uma boa proporção da vegetação do planeta. Mas, quando as florestas começaram a se recuperar depois disso, os sapos parecem ter sido um dos grupos que aproveitaram ao máximo os novos habitats.

Os pesquisadores indicaram que nenhuma das linhagens de sapo que surgiram antes da extinção e sobreviveram ao asteroide conseguiram se adaptar para viver em árvores.


A bombina pertence à minoria de sapos cujas linhagens surgiram antes da extinção (SCIENCE PHOTO LIBRARY)

"Todas as origens da 'arborealidade' (como entre Hyloideas e Natatanuras) ocorreram após a extinção de Chicxulub", escreveram os autores no seu artigo no PNAS.

Isso "sustenta a hipótese de que a extinção em massa configurou a atual diversidade dos sapos", argumentam os pesquisadores.

O estudo também indica que a distribuição global de sapos segue a desintegração dos supercontinentes, começando com Pangeia, há 200 milhões de anos, e, depois, Gondwana, que se dividiu entre América do Sul e África.

Essas informações sugerem que os sapos usaram a Antártida, que ainda não estava coberta de gelo, como um degrau da América do Sul para a Austrália.

"Eu acho que o mais empolgante do estudo é que mostramos que os sapos são um grupo animal muito forte. Eles sobreviveram à extinção em massa que extinguiu completamente os dinossauros", diz outro autor do estudo, Peng Zhang, da Universidade Sun Yat-Sen, em Guangzhou, China.

Porém, sapos - como qualquer outro anfíbio - enfrentam muitos desafios hoje, incluindo a perda de habitat devido ao desmatamento e a doenças como quitridiomicose e ranavírus.

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…