Pular para o conteúdo principal

Astrônomos da USP decifram como se forma o vento dos buracos negros


CONCEPÇÃO ARTÍSTICA DE UM BURACO NEGRO SUPERMASSIVO NO CENTRO DA GALÁXIA NGC 3783 (FOTO: ESO/M. KORNMESSER)

Estudo publicado em revista inglesa detalhou os mecanismos por trás das violentas rajadas de vento produzidas pelo buraco negro supermassivo no centro da galáxia NGC 1068

Buracos negros ocupam um lugar especial no imaginário popular: talvez nenhum outro objeto astronômico exerça tanto fascínio na mente das pessoas. Mas acontece que a imagem segundo a qual eles se consolidaram, de monstros famintos que devoram toda e qualquer coisa que passa perto, pode não ser tão realista assim.

É o que sugere um novo estudo dos astrônomos brasileiros João Steiner e Daniel May, ambos do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, que acaba de ser publicado na revista inglesa Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. A conclusão dos pesquisadores contraria o senso comum — os buracos negros expulsam boa parte do gás que fica no centro das galáxias ao invés de engoli-lo.

Isso ocorre por meio de um processo que até então não era bem compreendido pela comunidade astronômica. Já se sabia que os buracos negros supermassivos, que estão no coração de quase toda galáxia de grande porte que se preze, emitem poderosas rajadas de vento. Só que o vento em si continuava envolto em mistério.

O trabalho de May e Steiner, que contou com o apoio da Fapesp, utilizou dados de dois grandes telescópios (o VLT e o Gemini Norte) para estudar uma galáxia especial — a NGC 1068, primeira de núcleo ativo descoberta, por ser a mais brilhante do céu.

Os astrônomos mostraram que o vento se forma em dois estágios. No primeiro, as coisas acontecem no próprio disco de matéria que circunda o buraco negro, onde a radiação eletromagnética é tão forte que evapora a poeira localizada a 3 anos-luz dali.


TELESCÓPIO HUBBLE ENXERGA A GALÁXIA ESPIRAL COM NÚCLEO ATIVO NGC 1068 (FOTO: NASA/ESA/A. VAN DER HOEVEN)

O processo cria o vento primário, caracterizado por uma aceleração de parte do gás. A segunda etapa é mais dramática: nasce da interação desse vento e de um poderoso jato de partículas arremessadas pelo campo magnético central com uma grande nuvem de gás molecular que fica no centro da galáxia, a cem anos-luz do buraco negro. Surge, então, o vento térmico (ou secundário), capaz de arrastar o gás até regiões muito mais distantes.

Relógio de arena

Os autores determinaram ainda que o vento de alta velocidade sopra seguindo o formato de uma ampulheta. A descoberta destes novos mecanismos preenche uma importante lacuna no entendimento de como as galáxias se formaram.

“O mecanismo e a localização exata [do vento] não era conhecida, este trabalho mostra isso pela primeira vez”, disse o astrônomo João Steiner ao jornal O Globo. É claro que toda essa violenta expulsão gasosa traz consequências à galáxia hospedeira: conforme é arremessado para longe, o gás uma hora “acaba”, fazendo com que o buraco negro pare de brilhar e impedindo o nascimento de novas estrelas.

Após dezenas de milhões de anos, o gás pode retornar e recomeçar o ciclo. “É isso que faz com que os buracos negros e as galáxias coevoluam, um influencia a forma e o ritmo como o outro evolui”, disse Steiner. Explicar o mecanismo por trás do processo é importante para entender melhor a evolução tanto das estrelas quanto das galáxias.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…