Pular para o conteúdo principal

Problema com motor da sonda Juno irá adiar os planos da NASA mais uma vez


A missão Juno da NASA não está avançando exatamente conforme o planejado. No mês passado, a queima do motor principal que faria com que a sonda diminuísse sua órbita foi adiada após um problema inesperado em um par de válvulas de hélio. Agora, a NASA confirmou que a oportunidade de entrar na “órbita de ciência” será perdida novamente.

No dia 14 de outubro, a NASA anunciou que uma queima do motor principal da Juno – que diminuiria sua órbita elíptica de 53,4 dias para a órbita de ciência de 14 dias – não iria acontecer no dia planejado, em 19 de outubro. Em vez disso, a agência decidiu adiar a manobra para 11 de dezembro, que seria o próximo momento de maior aproximação de Júpiter (chamado de periápside).

Porém, algumas semanas depois, a NASA fez outro comunicado indicando que a periápside do dia 11 de dezembro seria apenas uma “passagem de ciência”, na qual a sonda aponta seus instrumentos para Júpiter e coleta dados, assim como fez em 27 de agosto. O porta-voz DC Agle, do Laboratório de Propulsão a Jato, confirmou ao Gizmodo que isso significa que nenhum motor será queimado. “A maioria dos instrumentos – se não todos – serão desligados se a manobra for realizada”, disse ele por email.

Agle não apontou quando a Juno deve tentar queimar seu motor novamente. A próxima periápside da sonda cairá no dia 2 de fevereiro, e depois em 27 de março.


Diagrama ilustrando o caminho orbital de Juno. Imagem:NASA / JPL-Caltech.

Mas a NASA tem dado algumas dicas que indicam que a Juno deve se manter na órbita de 53,5 dias por um bom tempo, possivelmente durante toda a missão – e talvez isso não seja um problema. “Nós conseguimos fazer toda a ciência numa órbita de 53 dias se for necessário”, disse o pesquisador principal da Juno, Scott Bolton, numa recente coletiva de imprensa da Divisão de Ciências Planetárias.

A sonda Juno foi configurada para executar 33 órbitas de ciência que duram duas semanas, onde ela ficaria mais próxima dos polos de Júpiter e voltaria, com o objetivo de observar e coletar dados dessa região e de mapear o campo magnético detalhadamente. Numa órbita de 53,5 dias, levará muito mais tempo para ela coletar a mesma quantidade de dados. Mas como a exposição à radiação intensa só acontece quando a sonda fica próxima dos polos, a dose de radiação geral não deve mudar muito. “É o número de órbitas que impulsiona a radiação”, explicou Bolton.

Na metade de 2019, se Juno ainda estiver na órbita de 53,5 dias, ela terá problemas com eclipses, ficando sob a sombra de Júpiter durante muitas horas. Isso pode causar deficiências na reposição de energia da sonda, que depende da energia solar.

A agência espacial terá que vencer esse obstáculo quando e se ele chegar. Mas por enquanto, os engenheiros continuam tentando encontrar uma solução para o problema da válvula de hélio. James Green, da Divisão de Ciências Planetárias, disse que a NASA está tendo uma abordagem “bem lenta” para o problema, segundo a SpaceNews. Entre outras coisas, a agência vem investigando possíveis conexões com o mau funcionamento de um propulsor num motor similar utilizado no satélite Boeing Intelsat 33e, lançado em agosto.

“Nós teremos outro ciclo em Júpiter e iremos estudar realmente o que está acontecendo antes de tomarmos uma decisão sobre o nosso próximo passo”, disse Green.

Imagem do topo: NASA.

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…