Pular para o conteúdo principal

Como os astrônomos vão destampar o Sol com a peneira


Este diagrama mostra a diferença entre uma placa de Fresnel (esquerda) e a peneira de fótons (direita). [Imagem: NASA]

Resolução de telescópios

Astrônomos da NASA começaram a testar uma nova tecnologia óptica para telescópios chamada "peneira de fótons".

Para visualizar detalhes físicos cada vez menores dos objetos celestes mais distantes, a regra geral tem sido construir telescópios com espelhos cada vez maiores. Mas cumprir essa agenda está cada vez mais difícil porque telescópios maiores são proporcionalmente mais caros - e virtualmente impossíveis de serem lançados ao espaço.

A alternativa que está sendo estudada promete um salto na resolução capaz de revelar não apenas detalhes de estruturas ainda não totalmente compreendidas, mas também estruturas nunca vistas com os telescópios atuais.

Placa de Fresnel e Peneira de Fótons

A nova óptica é derivada de um dispositivo conhecido como "placa de zona de Fresnel".

Em vez de focar a luz como a maioria dos telescópios, através da refração ou da reflexão, as placas de Fresnel fazem a luz difratar - um fenômeno que ocorre quando a luz viaja através de uma fina abertura e depois se espalha. Isto faz com que as ondas de luz no outro lado se reforcem ou se anulem mutuamente em padrões precisos.

As placas de Fresnel consistem em um conjunto cuidadosamente espaçado de anéis, alternadamente transparentes e opacos. A luz viaja através dos espaços entre as zonas opacas, que são espaçadas de modo que as sobreposições da luz difratada se concentrem em um ponto específico, criando uma imagem que pode ser captada pelo sensor de uma câmera.


Este pequeno protótipo mostra como a peneira de fótons faz um laser vermelho focar pontualmente sobre seu eixo óptico, mas produz padrões de difração exóticos quando vistos de lado. [Imagem: NASA/W. Hrybyk]

A peneira de fótons funciona basicamente da mesma maneira. Contudo, ela é dotada de milhões de furos precisamente espaçados em uma placa de silício seguindo o mesmo padrão circular das placas de Fresnel, o que permite um ganho enorme em resolução.

A equipe pretende construir um protótipo de 1 metro de diâmetro, o que eles calculam ser suficiente para atingir uma resolução angular 100 vezes melhor do que o melhor telescópio solar da NASA, o SDO (Solar Dynamics Observatory).

Mistério da corona solar

Embora potencialmente útil em todos os comprimentos de onda, a equipe do Centro Espacial Goddard está desenvolvendo uma peneira de fótons para estudar o Sol no espectro ultravioleta, o comprimento de onda que poderá esclarecer o mistério do aquecimento coronal, o porquê de a alta atmosfera solar ser muito mais quente do que sua superfície.

"Os instrumentos atuais têm resoluções espaciais cerca de 100 vezes maiores do que os detalhes que devem ser observados para entender esse processo," disse Doug Rabin, líder do projeto.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…