Pular para o conteúdo principal

Cientistas famintos vão comer vegetais cultivados em solo igual ao marciano


Por dois anos, pesquisadores vêm cultivando uma série de plantas em solos semelhantes ao de Marte e da Lua. Agora, um vegetal do jardim está finalmente prestes a receber seu primeiro teste de degustação – é um rabanete.

Claro, esse rabanete não cresceu em Marte nem na Lua. Pesquisadores da Universidade de Wageningen (Holanda) plantaram 10 culturas em solos lunares e marcianos simulados, incluindo ervilhas, tomates, rabanetes, batatas, feijão verde e cenouras.

Os resultados, pelo menos visualmente, parecem deliciosos:


Tomate cultivado em solo igual ao marciano (Wieger Wamelink)

Este tomate está com uma aparência muito boa. Mas ainda permanece uma grande questão: qual é o gosto?

Em março, quando falamos sobre a colheita bem-sucedida destas culturas, o pesquisador-chefe Wieger Wamelink disse ao Gizmodo que estava esperando pelos ​​resultados do teste de metais pesados para prová-las.

“Fizemos culturas e as colhemos – tomate, grãos de centeio, rabanete, rúcula, agrião – mas não as provamos ainda”, diz Wamelink ao Gizmodo. “Primeiro precisamos ter certeza de que é seguro comê-las, por causa dos metais pesados ​​que estão presentes no solo e que podem parar nas plantas.”

Os primeiros testes de metais pesados ​​dessas culturas chegaram e, das quatro culturas amostradas – ervilha, tomate, centeio e rabanete – todas tinham concentrações de metais pesados ​​dentro dos níveis normais, segundo os pesquisadores.

Na verdade, em alguns casos, as ervilhas e os tomates tinham níveis mais baixos do que as culturas terrestres. As imagens abaixo comparam culturas em solo terrestre, lunar e marciano, mostrando a concentração dos metais ferro, cádmio, cromo e chumbo:


As ervilhas de solo lunar e marciano têm bem menos chumbo e cádmio (metais tóxicos) que as cultivadas em solo terrestre.


O mesmo vale para os tomates cultivados em solo lunar e marciano: eles têm menos chumbo e cádmio. (Imagens: Wieger Wamelink)

Os pesquisadores ainda têm seis culturas adicionais para testar por metais pesados – incluindo batata, feijão verde e cenouras. Mas, com estes resultados preliminares das primeiras colheitas, parece que as culturas estão finalmente prontas para serem ingeridas.

Nós conversamos com Wamelink novamente para descobrir se estes resultados seriam suficientes para que as plantas virassem salada marciana. Ele disse que sim, com uma ressalva.

“Em princípio, poderia haver outro problema, mas as chances são muito baixas e nosso paladar notaria isso imediatamente”, diz Wamelink. “As plantas podem formar alcaloides quando estão sob pressão; e em quantidades elevadas, isso seria venenoso para nós. Vamos verificar isso mais tarde, para detectar a presença disso nas culturas, assim como vitaminas e flavonoides.”

O teste de degustação, que vai começar com um rabanete, está agendado para a próxima quarta-feira (29).

[Wageningen University and Research]

Primeira imagem: conceito artístico de um assentamento marciano (NASA)

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…