Pular para o conteúdo principal

ET de Varginha: 20 anos depois, veja o que aconteceu com os personagens


As meninas que teriam visto o ET, os ufólogos, o policial que morreu.
Muitos não falam mais no caso e outros não se sabe onde estão.

Vinte anos já se passaram desde o suposto aparecimento do ET de Varginha (MG). Apesar de conclusões apresentadas pelo Exército Brasileiro em um Inquérito Policial Militar (IPM), o caso ainda permanece um mistério para os moradores da cidade e ufólogos que acompanharam a história.

Muita gente ainda se pergunta o que aconteceu com 'as meninas', se o caso do policial que morreu após um suposto contato com a criatura foi solucionado e o motivo do ufólogo Ubirajara Rodrigues, um dos maiores defensores das investigações desde o início, ter parado de falar sobre o caso.
O G1 foi atrás de respostas para estas perguntas e traz algumas informações sobre o que aconteceu com os principais personagens dessa história.



Kátia Andrade Xavier e as irmãs Liliane Silva e Valquíria Silva são lembradas até hoje como 'as meninas que viram o ET'. Após o caso, elas foram “assediadas” por jornalistas e pesquisadores de todo mundo, além de curiosos. À época ainda bem jovens, hoje são mulheres com a vida formada.
As irmãs se casaram e tiveram filhos. Elas mantêm uma lanchonete que vende sucos naturais no Centro da cidade. Liliane já tem 36 anos e Valquíria, 34. Já Katia, de 42 anos, atualmente está desempregada e se separou do marido com quem tinha um relacionamento na época do caso.
As três nunca voltaram atrás na história e continuam afirmando exatamente as mesmas coisas daquele janeiro de 1996. Não costumam mais dar muitas entrevistas sobre o assunto.
A convite da EPTV Sul de Minas, Kátia Xavier esteve nos estúdios da emissora nesta quarta-feira (20) e mais uma vez reafirmou o que elas viram.



Eurico de Freitas e Oralina de Freitas moravam e trabalhavam em um sítio às margens da BR-491, que dá acesso à cidade de Varginha. Em uma noite, com data não tão clara, teriam avistado uma nave a cerca de 5 metros do chão, sobrevoando o pasto e deixando o gado agitado.
Ao longo dos anos, também sempre contaram a mesma história. Em 2008, o casal deixou o sítio e se mudou para uma casa na cidade. Freitas se aposentou da função de caseiro. Eles afirmam nunca terem sido procurados por autoridades para falar sobre o caso.



Um dos pontos que ainda permanecem como um mistério no caso é a morte de Marco Eli Chereze, que era da Intêligencia da Polícia Militar de Minas Gerais. Conforme relatos dos ufólogos que acompanharam o caso, Chereze teria capturado uma das criaturas sem utilizar qualquer espécie de proteção e a encaminhado para um hospital da cidade.
O policial morreria 26 dias depois, no dia 15 de fevereiro, com uma infecção generalizada de causa desconhecida. Segundo consta no livro "O Caso Varginha", de Ubirajara Rodrigues, Chereze se submeteu a uma cirurgia com um médico militar para a remoção de uma pequena pústula, uma espécie de inflamação sobre a pele. Depois, ele teria tido febre e sofrido com fortes dores em diversas partes do corpo.
Um dos médicos responsáveis pelo caso afirmou que todos os exames foram feitos. Foi detectada uma imunodefiência de causa desconhecida e o policial não reagiu aos medicamentos. A família nunca recebeu uma explicação oficial sobre a morte do policial e atualmente, não gosta de tocar no assunto.



Ubirajara Rodrigues é o autor do livro “O Caso Varginha”, que se tornou referência sobre a história. Trabalhando muito próximo aos militares e presente na cidade desde o começo dos acontecimentos, o ufólogo e advogado teve acesso a diversas informações que até então não estavam disponíveis para o público.
Nos últimos anos, Rodrigues se distanciou do caso e não fala mais sobre o assunto. Ele continua morando em Varginha e é presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) na cidade. O livro dele continua sendo vendido nas bancas.



Juntamente com o jornalista Maxs Portes, Pacaccini é o autor do livro "Incidente em Varginha - Criaturas do espaço no Sul de Minas”. A publicação foi a primeira a tratar o caso e incluía depoimentos de militares, ufólogos, reportagens de jornais locais e até uma sindicância interna do Exército.
Pacaccini foi alvo do IPM aberto pelo Exército, mas terminou inocentado. O inquérito concluiu que o caso não havia passado de um grande mal entendido, e que a criatura avistada pelas meninas seria, na verdade, um morador da cidade.
Segundo o ufólogo Marco Petit, “os militares que comandavam o procedimento policial optaram por apresentar, dentro dos autos, o autor do livro simplesmente como uma pessoa ingênua, incompetente, que havia dado credibilidade a pessoas e fatos inverídicos ao escrever seu livro.”
Alguns anos após a publicação do livro, Pacaccini “desapareceu dos holofotes” e não falou mais sobre o caso. Chegou-se a criar páginas nas redes sociais em busca do paradeiro do ufólogo. Em um vídeo publicado por último em uma delas, um apresentador afirma que Pacaccini hoje seria um empresário e estaria morando numa cidade no interior de Minas Gerais. Ele não foi localizado para falar sobre o tema.



Luis Antônio de Paula, na época com cerca de 30 anos, só foi envolvido no caso após o IPM do Exército ter afirmado que ele teria sido confundido pelas meninas como o ET de Varginha. Com problemas mentais e conhecido na cidade por “Mudinho”, ele costumava ser visto próximo ao local onde as meninas teriam visto a criatura agachado na rua - que seria a posição em que o ET estava.
As meninas, que conheciam ele, sempre negaram essa conclusão. Mudinho continua em Varginha e ainda é visto pelo bairro onde vive.



À época dos acontecimentos, os comandantes das instituições militares foram envolvidos no caso e tiveram que argumentar sobre a movimentação estranha dos veículos oficiais na cidade no dia 20 de janeiro. Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e a Escola de Sargento das Armas (EsSA) sempre negaram qualquer envolvimento com o caso.
Tradicionalmente, os militares não podem comentar casos isoladamente. Apesar de alguns terem concedido entrevistas para os livros publicados pelos ufólogos ao longo dos anos e um deles até ter gravado uma entrevista para o ufólogo Marco Petit, a postura da instituição foi a mesma durante todo o tempo.
Procurado pelo G1, o Exército Brasileiro afirmou que “determinou a abertura de processos investigatórios sobre o fato nos anos de 1996 e 1997. Tais procedimentos resultaram na instauração de um Inquérito Policial Militar (IPM), o qual foi encaminhado, naquela ocasião, à Auditoria da 4ª Circunscrição Judiciária Militar, em Juiz de Fora/MG. O assunto foi encerrado com a conclusão do IPM.” O Exército acrescentou ainda que “não há documentos que tratem sobre assuntos de Ufologia nos arquivos do Exército Brasileiro”.
As outras instituições não se pronunciaram sobre o caso.

Veja também: http://ufos-wilson.blogspot.com.br/2016/01/et-de-varginha-caso-completa-20-anos.html

FONTE: http://g1.globo.com/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…