Pular para o conteúdo principal

O fenômeno meteorológico que fez um teste de bomba nuclear dar muito errado



Em 1955, a União Soviética testou a bomba RDS-37 em uma base de mísseis no nordeste do Cazaquistão. O poder da bomba havia sido reduzido para o teste, mas um fenômeno meteorológico relativamente raro causou um aumento inesperado – e destrutivo – de sua potência.

O local de testes Semipalatinsk seria, em condições normais, seguro para testar a nova bomba nuclear russa RDS-37. Para garantir que a bomba – a ser lançada no local por um avião – causaria poucos danos, os pesquisadores diminuíram sua capacidade destrutiva de 3 megatons (o equivalente a 3 milhões de toneladas de TNT) para cerca de 1,45 megatons.

O local de observação mais próximo estava a 58 km de distância. A aldeia mais próxima ficava ainda mais longe. Claro, ninguém quer uma bomba nuclear caindo em seu quintal, mas parecia que ninguém iria ser imediatamente prejudicado pelo teste.

Em 22 de novembro, o dia do teste, um fenômeno meteorológico estranho ocorreu no local – trata-se de uma camada de inversão térmica.

Normalmente, o ar quente gerado por incêndios ou pela radiação do solo sobe através do ar relativamente mais frio acima dele, e depois se dispersa na atmosfera superior. Às vezes, devido a anomalias na pressão atmosférica, ou porque o ar simplesmente vem aquecido de outro local, uma camada de ar quente fica imprensada entre o ar frio no chão e o ar frio na atmosfera superior.

Quando o ar quente sobe, ele atinge essa camada intermediária e para de subir. Este tampão de ar quente atua como uma espécie de cúpula sobre uma cidade ou um terreno, causando uma vedação de gás e calor. Isto já causou problemas mortais de poluição atmosférica. Agricultores devem evitar a pulverização de pesticidas durante inversões, porque qualquer veneno que viaje para a atmosfera superior muitas vezes salta de volta para baixo.

Mas o gás e as partículas não são a única coisa que volta para baixo. Algumas pessoas relatam ouvir barulhos estranhos durante inversões, porque as ondas sonoras de trens distantes, carros ou até mesmo conversas saltam para baixo da camada de inversão.

Em 1955, a onda de choque da RDS-37 fez a mesma coisa. Embora a camada de inversão não tenha refletido toda a força da bomba, uma grande quantidade da energia que seria lançada na atmosfera superior voltou para baixo e atingiu o solo.

Soldados observavam a bomba a partir de uma trincheira coberta a 58 km de distância, mas os apoios quebraram e a estrutura colapsou sobre eles. Em um vilarejo próximo, janelas estouraram e um prédio desabou. Duas pessoas morreram e 47 ficaram feridas.

A única coisa boa do teste foi deixar os pesquisadores cientes dos muitos fatores que podem afetar o resultado de um teste de armas nucleares.



FONTE: Comprehensive Nuclear-Test-Ban Treaty Organization via Gizmodo Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…