Pular para o conteúdo principal

Vulcões em Plutão?


Montanhas vistas ao sul da Sputnik Planum, em Plutão, parecem ter caldeiras, como vulcões. (Crédito: Nasa)

POR SALVADOR NOGUEIRA
10/11/15 16:52

Ok, vamos lá. Que surpresas já tivemos em Plutão? Dunas numa atmosfera rarefeita, atividade geológica recente, neve de nitrogênio, montanhas de gelo de água… Quer mais uma? Dois possíveis vulcões foram avistados pela sonda New Horizons.

É o que sugere uma análise preliminar feita pela equipe de cientistas da missão, apresentada na segunda-feira (9), no início da 47a Reunião Anual da Divisão de Ciências Planetárias da Sociedade Astronômica Americana, em National Harbor, Maryland.

Duas das montanhas mais proeminentes registradas nas imagens da sonda durante seu sobrevoo histórico de Plutão, realizado em 14 de julho, chamadas informalmente de Wright e Piccard, têm depressões bem no pico.

“Essas são grandes montanhas com um grande buraco em seu cume, e na Terra isso significa geralmente uma coisa — um vulcão”, disse Oliver White, pesquisador do Centro Ames de Pesquisa, da Nasa, em nota divulgada pela agência espacial americana.

Agora, entre parecer ser e ser vai uma distância, e ainda não há subsídios para confirmar a hipótese de vulcões. E não custa lembrar que esses não são vulcões como os da Terra, que cospem lava — ou, para os íntimos, magma, também conhecido como rocha derretida. Em Plutão, nos cafundós do Sistema Solar, não há energia e calor suficientes para derreter pedras — a, não ser, é claro, que essas pedras sejam de gelo! Estamos falando, portanto, de criovulcões.

Agora, que gelo eles expelem? Os cientistas não têm ainda ideia — cogitam coisas como água, nitrogênio, amônia ou ainda metano. De toda forma, a ideia de qualquer tipo de vulcão já é empolgante por si só, pois dá pistas de como se deu a evolução geológica e atmosférica de Plutão.

POR DENTRO DE PLUTÃO
Outro estudo apresentado durante a reunião pode dar pistas do que permite toda essa atividade geológica, que perdura até hoje, no pequeno planeta anão. Alex Trowbridge e Henry J. Melosh, da Universidade de Purdue, se puseram a investigar por que Plutão parece tão mais ativo que, por exemplo, Ceres, o planeta anão que existe no cinturão de asteroides. Ceres é interessante, sem dúvida, e tem algum tipo de atividade, evidenciada pela presença de intrigantes pontos brilhantes no interior de crateras (que aparentemente são concentrações de sais), mas é um mundo muito mais esburacado — e portanto geologicamente antigo — que Plutão.

Curiosamente, a julgar pela densidade dos dois mundos e por sua formação, ambos devem ter mantos de gelo de água. Mas, em Ceres, isso não foi suficiente para produzir tectonismo ou vulcanismo, pelo menos não de forma tão intensa quanto em Plutão.

Melosh e seu orientando Trowbridge decidiram desenvolver um método para estimar o vigor dos mantos desses mundos gelados e, com isso, além de explicar as diferenças entre Plutão e Ceres, também ajudar a prever o que podemos encontrar em outros planetas anões e satélites similares Sistema Solar afora.

E o que eles concluíram é que, como Plutão se formou mais afastado do Sol, a mistura de substâncias voláteis que ajudaram a produzir sua composição foi bem diferente da de Ceres. Em especial, muito mais amônia.

Se você mistura água e amônia, é como adicionar uma substância anticongelante — mesmo a temperaturas muito baixas, o manto permanece pastoso e permite a ocorrência de convecção. Em essência, o material consegue se mover para cima e para baixo, guiado por diferenças de temperatura, e com isso alimentar a atividade geológica vista na superfície.

No caso de Plutão, os pesquisadores apostam que uma mistura de água com 5% de amônia seria suficiente para explicar os fenômenos observados pela New Horizons. Já Ceres, sem amônia, acabou com o seu interior congelado — ou pelo menos, significativamente menos sujeito a convecção que seu colega do cinturão de Kuiper.

Agora, a dupla quer usar o mesmo conjunto de equações para prever o que podemos encontrar lá fora em outros objetos do cinturão de Kuiper, incluindo o pequeno mundo que a New Horizons deve encontrar em 2019, caso a Nasa banque a extensão da missão.



FONTE: http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…