Pular para o conteúdo principal

Cientistas diminuem velocidade da luz no ar


O fóton estruturado - que teve seu formato alterado - chega sempre atrasado, perdendo a corrida de 1 metro por 7,7 micrômetros. [Imagem: Universidade de Glasgow]

Manipulações da luz

Físicos têm feito miséria com a luz, dando-lhe nós, fazendo-a dar marcha-a-ré, criando pulsos superluminais que viajam mais rápido que a própria luz e, finalmente, fazendo a luz andar mais devagar.

Na verdade, fazer a luz andar mais devagar do que sua velocidade no vácuo (299.792.458 m/s) não é nenhum mistério: basta fazê-la passar por um meio não-vazio. Na água ela atinge 225.000.000 m/s, enquanto no vidro roda por volta dos 200.000.000 m/s.

Mas agora físicos da Universidade de Glasgow, na Escócia, descobriram uma forma de diminuir a velocidade da luz no ar, sem precisar fazê-la viajar por algum meio especial e nem mudar de um meio para outro.

A alteração de velocidade é bastante pequena, e é feita alterando o formato dos fótons. E o formato dos fótons é alterado fazendo-os passar por um filtro especial.

Isso é muito diferente de diminuir a velocidade da luz fazendo-a passar por um meio qualquer, porque ela retoma sua velocidade assim que sai desse meio e retorna ao ar ou ao vácuo. Neste experimento, o fóton formatado segue continuamente a uma velocidade menor.

A equipe afirma que, embora o rigor do experimento exija que se trabalhe com fótons individuais, o princípio deve funcionar para feixes normais de luz.

Diminuindo a velocidade da luz

Daniel Giovannini e seus colegas descobriram o efeito inédito trabalhando com dois tipos de "formatos de luz": um feixe Bessel, que se parece com anéis concêntricos, e um feixe de Gauss, que se espalha à medida que viaja.

A equipe usou um laser ultravioleta para produzir pares de fótons e os fez passar através de um filtro que dá a um deles o formato de um fóton de Bessel ou de um fóton Gaussiano.

Os dois fótons viajam um metro antes de bater em um detector. Eles deveriam chegar ao mesmo tempo, mas o fóton que tem seu formato alterado pelo filtro chega sempre atrasado.

Quando o fóton normal chega no detector, o fóton estruturado está a 20 comprimentos de onda atrás, o que é bem mais do que a precisão dos instrumentos de medição usados, validando a diminuição de velocidade da luz no ar ambiente - a distância corresponde a 7,7 micrômetros no espaço de um metro do experimento.

"Esses resultados nos dão uma nova maneira de pensar sobre as propriedades da luz e estamos ansiosos para continuar a explorar o potencial desta descoberta em aplicações futuras. Esperamos que o efeito seja aplicável a qualquer teoria de ondas, de modo que uma diminuição semelhante possa ser criada em ondas sonoras, por exemplo," disse o professor Miles Padgett, coordenador do grupo.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

  1. Quem sabe não consigam também aumentá-la em algum meio específico?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OLÁ SANTIAGO, CONHECE A TEORIA DO ÉTER? COMO TUDO NO UNIVERSO É UMA SEQUÊNCIA, NÃO PODEMOS NOS ESQUECER QUE DIZIAM SER IMPOSSÍVEL QUEBRAR A BARREIRA DO SOM!!! GRANDE ABRAÇO!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…