Pular para o conteúdo principal

Brasileiros criam sensor de temperatura ultrassensível


Material desenvolvido na USP e Unicamp registra temperaturas na faixa de -193 ºC a +476 ºC.[Imagem: A. R. Zanatta et al. - 10.1038/s41598-017-14535-1]

Sensor ultrafino

Pesquisadores brasileiros criaram um termômetro que opera em nanoescala e em microescala, medindo uma gama enorme de temperaturas - de 193 ºC negativos a 476 ºC positivos.

Além disso, ele capta a temperatura em regiões muito bem definidas, com resolução espacial variando do centímetro ao micrômetro, e praticamente sem influenciar a temperatura do objeto medido.

O material é produzido na forma de nanopartículas, que são então depositadas na forma de um filme fino - mais fino do que uma tinta. Isso significa que o material pode ser aplicado em áreas que vão de micrômetros a metros quadrados sobre uma grande variedade de superfícies. Se for mantido na forma de partículas micrométricas ou nanométricas, ele também pode ser disperso em meio líquido, mantendo-se, no entanto, sólido.

Os responsáveis pela novidade são Fernando Alvarez e Diego Scoca (Instituto de Física da Unicamp) e Antônio Ricardo Zanatta (Instituto de Física da USP em São Carlos).

"O sensor de temperaturas consiste em um sistema composto por dióxido de titânio (TiO2) dopado com íons de túlio (Tm3+). No presente estágio, dispusemos o material sob a forma de filme fino. Com ele, é possível cobrir, em tese, qualquer superfície: plana, curva, lisa ou rugosa. O material também pode ser apresentado como micro ou nanopartículas," disse Fernando Alvarez.

Termômetro óptico

Quando energizado por um pulso de laser, o material emite luz com comprimento de onda sensível à temperatura do meio em que se encontra.

A variação do comprimento de onda é de aproximadamente 2 picômetros (2x10-12 m) por grau de temperatura. É a medição muito precisa do comprimento de onda da luz que permite determinar a temperatura.

"A variação do comprimento de onda da emissão luminosa é absolutamente linear entre 80 K [-193,15 ºC] e 750 K [476,85 ºC]. E o equipamento se mantém íntegro e estável em toda essa faixa de temperaturas", disse Zanatta. "Pelo fato de ser capaz de medir um espectro muito amplo de temperaturas, pode ser usado tanto no sensoriamento de processos industriais, nos quais a temperatura alcança, às vezes, patamares bastante elevados, até processos biológicos, muito sensíveis às menores variações de temperatura."

A leitura óptica significa que a temperatura é medida sem o contato de qualquer aparelho com o objeto.

Aplicações práticas

Apenas o material está pronto, mas pode ser possível encapsular o sensor de temperatura, o emissor de laser, o fotodetector e um radiocomunicador dentro de um comprimido. Engolido com um pouco d'água, o comprimido poderia fornecer informações sobre a temperatura ao longo do trato digestivo, até ser eliminada do organismo.

"Uma utilização bem mais simples, que pode ser viabilizada rapidamente, é depositar o material sensor em um substrato plástico e aplicá-lo sobre a pele. Importante destacar que, além de abundante e fácil de obter, o óxido de titânio é biocompatível, portanto, não tóxico. Já é empregado atualmente em muitas próteses na área médica", disse Alvarez.

A identificação de pontos quentes em processadores e equipamentos eletrônicos e a detecção de infecções virais ou bacterianas em regiões específicas do organismo são outras possibilidades de uso do sensor de temperatura.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …