Pular para o conteúdo principal

Quem são os cientistas que querem encontrar o DNA de Jesus Cristo



Foi a primeira parada de uma jornada extraordinária. Numa tarde de janeiro brilhante e um pouco fria, me encontrava em uma pequena ilha do Mar Negro, fora de Sozopol, na costa leste da Bulgária. A ilha de Sveti Ivan tem sido um destino para viajantes: o lugar vangloriou-se do Templo de Apolo na antiguidade. Mas eu estava lá para falar com um velho arqueólogo búlgaro sobre a maior descoberta de sua carreira.

Em 2010, Kasimir Popkonstantinov descobriu o que ele acredita serem os ossos de um dos santos mais famosos: João Batista. Eu estava interessado no que a análise do DNA poderia nos falar sobre esses e outros ossos. Juntamente com estudante bíblico Joe Basile, eu trabalhava ao redor do mundo filmando um documentário sobre religião e evidências científicas, ligando fatos arqueológicos a Jesus Cristo.

Popkonstantinov fez sua descoberta escavando uma igreja do século 6 d.C. na ilha, construída em cima de uma basílica do século anterior. Enquanto ele raspava cuidadosamente a lama onde o altar deveria estar, encontrou uma placa de pedra e ficou encantado ao se deparar com uma pequena caixa de mármore embaixo dela.


PROFESSOR KASIMIR POPKONSTANTINOV E A CAIXA DE MÁRMORE QUE PODE CONTER A OSSADA DE JOÃO BATISTA (FOTO: GEORGE BUSBY)

Ele soube imediatamente o que era aquilo. Para uma igreja ser consagrada naquela parte da Europa no século 5, ela precisaria conter alguma relíquia de um santo ou personalidade religiosa. Aquela caixa, conhecida como relicário, deveria possuir tal objeto.

O arqueólogo continuou escavando e encontrou outra caixa menor a mais ou menos um metro de distância. Na beirada inferior do objeto estava escrito: “Que Deus te salve, servente Thomas. De São João.” Quando Kasimir abriu a caixa depois, encontrou cinco fragmentos de ossos.

O epitáfio na caixinha, provavelmente usada para transportar os ossos durante viagens, foi a evidência chave que o levou acreditar que a ossada pertencia a São João Batista. A descoberta é muito importante, em parte porque João Batista era discípulo e primo de Jesus — o que significa que eles dividem parte do DNA.


VISTA DA CIDADE DE JERUSALÉM DO MONTE DAS OLIVEIRAS (FOTO: GEORGE BUSBY)

Graças ao número de avanços científicos, o campo de DNA antigo (extração e análise de material genético de ossos e fósseis escavados) está bombando. Agora temos DNA de centenas de pessoas que morreram há muito tempo. Seu estudo está refinando nosso entendimento sobre a história da humanidade.

DNA como prova de identidade
Em um primeiro momento, eu estava um pouco cético sobre o que os ossos búlgaros poderiam nos ensinar. A princípio, nenhum teste de DNA pode provar que eles eram partes de João Batista, de Jesus ou de qualquer outra pessoa. Não podemos extrair e analisar um DNA e simplesmente dizer que ele pertenceu a alguém. Para isso, precisamos de uma amostra que veio com certeza de João Batista e então compará-la aos ossos. Só sequenciar o DNA não ajuda.

Outra consideração a ser feita é o risco de contaminação. No cenário ideal, antiguidades que queremos analisar geneticamente não deveriam ter sido tocadas por ninguém desde a morte da pessoa. As melhores amostras são escavadas, colocadas num saco e mandadas diretamente para estudo. Nos 500 anos entre a morte de João e o enterro dos ossos na igreja, qualquer um pode ter deixado seu DNA no material.

Mas nem tudo está perdido. DNA degenera com o tempo, então é possível testar qualquer amostra extraída de restos mortais para entender os sinais de degradação. Isso significa que podemos diferenciar as “contaminações modernas”. Também é possível extrair DNA de dentro dos ossos e tentar sequenciá-lo para diferenciá-lo do material genético mais recente já conhecido.

O que o DNA pode te contar
O DNA deveria ser usado como uma ferramenta adicional à arqueologia. Na minha opinião, existem dois benefícios que a análise de material genético pode trazer para essa festinha particular. Podemos comparar o DNA de uma relíquia com o DNA de outros objetos.

Se acharmos outras coisas que supostamente são de João Batista ou de parentes de Jesus, então poderíamos usar a genética para comparar os dois e ver se podem ser da mesma pessoa ou de alguém próximo. Além disso, nossa coleção de genes de pessoas de todo mundo está crescendo, e podemos usá-la para tentar adivinhar as origens geográficas dessas relíquias.

Então, o que os ossos búlgaros nos contam? A datação de carbono sugeriu que eles têm 2 mil anos de idade. Sua sequência de DNA apareceu para mostrar uma afinidade com populações do Oriente Médio.

Infelizmente, quando falei com o geneticista que fez a pesquisa, ele me contou que o DNA era pertencente à pessoa que extraiu o material dos ossos — o que significa que eles foram contaminados. Eles tinham pouco material para trabalhar, então é improvável que tenham material suficiente para descobrir a quem pertencia a ossada.


MATERIAL DA OSSADA DE TIAGO, QUE ALGUNS ACREDITAM TER CARREGADO OS OSSOS DO IRMÃO DE JESUS, ESTÁ SENDO SEQUENCIADO POR GENETICISTAS (FOTO: ENGLISH WIKIPEDIA, CC BY-SA)

Mesmo assim também visitei outros cientistas que tinha relíquias em que a análise de DNA era possível. Por exemplo, pesquisas recentes identificaram DNA de várias pessoas no Sudário de Turim, um pedaço de roupa que alguns acreditam terem arrancadas de Jesus quando foi tirado na cruz.

Em Jerusalém também nos encontramos com um homem que estava no processo de sequenciamento do material de Tiago, uma caixa de giz do século 1 que pode ter guardado os ossos do irmão de Jesus. Também conhecemos um arqueólogo em Israel com vários pregos da crucificação, um dos quais ainda estava pregado no calcanhar de uma pobre alma crucificada. Infelizmente, é impossível extrair DNA do ferro.

Enquanto as análises não podem provar que esses artefatos são o que alguns pensam que são, a esperança é que algum dia eles possam promover uma descoberta da relação com seus descendentes modernos.

Vamos assumir por um momento que a contaminação pode ser completamente descartada e a análise demonstrasse que o Sudário se relaciona com o DNA da ossada de Tiago — e que ambos estão relacionados com os ossos búlgaros. Esse poderia ser o material genético da família de Jesus? Para responder a isso, tudo o que você precisa é um pouco de crença.

* George Busby é pesquisador associado no Statistical Genomics, da University de Oxford. Esta matéria foi publicada originalmente em inglês no site The Conversation. Leia o artigo original.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…