Pular para o conteúdo principal

Em 1999, David Bowie discutia e imaginava o futuro da internet



Por: Matt Novak

Em 1999, David Bowie concedeu uma entrevista para Jeremy Paxman na BBC. Bowie explica que se fosse uma criança nos anos 1990, não teria se tornando um pop star. Em vez disso, ele provavelmente teria se tornado um obcecado em internet. Por quê? Bowie diz que era ali que as coisas potencialmente interessantes – coisas caóticas, niilistas e realmente rebeldes – estavam acontecendo.

Mas o entrevistador, Paxman, não ficou convencido. Bowie teve uma discussão com o jornalista, que em um ponto diz que as previsões feitas sobre o futuro da internet eram um “enorme exagero”. Bowie responde com um pouco de sarcasmo lembrando que as pessoas duvidavam que coisas como o telefone iriam mudar o mundo.

“Não acho que tenhamos visto sequer a ponta do iceberg. Acho que o potencial do que a internet irá fazer para a sociedade, tanto para o bem quanto para o mal, é inimaginável”, explicou Bowie à BBC. “Eu acho que na verdade estamos à beira de algo alucinante e terrível.”

Você pode assistir toda a entrevista no YouTube (em inglês), mas destaquei e transcrevi as partes mais importantes abaixo.



“A internet carrega a bandeira para o subversivo e possivelmente rebelde e caótico e niilista…”, diz Bowie antes do entrevistador começar a interrompê-lo.

“Ah sim, é. Esqueça o elemento Microsoft, os monopólios não têm um monopólio… talvez em programas…”, comenta antes que Paxman possa interromper de fato seu pensamento.

“O que você gosta é o fato de que qualquer pessoa pode falar qualquer coisa, ou fazer qualquer coisa,” diz Paxman incrédulo, mais como uma afirmação do que como uma pergunta.

E é a partir desse momento que Bowie chega num estágio das suas visões para o futuro que talvez melhor defina a segunda década do século 21 – uma era onde todos, de atores, músicos, até o presidente dos Estados Unidos, se comunicam com audiências enormes simultaneamente. Bowie fala sobre quebrar as barreiras entre artista e audiência, e o quanto isso o fascina.

“Eu realmente abraço a ideia de que há um novo processo de desmistificação entre o artista e a audiência”, conta Bowie. Ele continua falando sobre como os anos 80 e 90 touxeram uma enorme fragmentação entre os gêneros musicais, que ele vê como algo positivo para estabelecer comunidades interessantes.

“Mas o que isto tem especificamente com a internet?”, pergunta Paxman. “Qualquer pessoa pode dizer qualquer coisa, e tudo isso se resume ao quê? Parece-me que não há nada coeso sobre isso da maneira que havia algo coeso com a Youth Revolution na música.”

“Ah, absolutamente”, diz Bowie. “E eu acho que é porque na época, até pelo menos os meados dos anos 70, nós sentíamos que estávamos vivendo sob uma sociedade única, absoluta – onde haviam verdades conhecidas e mentiras conhecidas e não existia nenhum tipo de duplicidade ou pluralismo sobre as coisas em que acreditávamos.”

“Isso começou a ser derrubado rapidamente nos anos 70″, continua Bowie. “E a ideia da dualidade da maneira que vivemos – há sempre dois, três, quatro, cinco lados de cada questão. Aquela singularidade desapareceu. E acredito que isso produziu um meio como a internet, que se estabelece e nos mostra que estamos vivendo em total fragmentação.”



Paxman expressa um enorme ceticismo sobre a ideia da internet ter um grande impacto no mundo. E Bowie não deixa de ridicularizar essa linha de pensamento.

“Você tem que pensar que algumas das afirmações que estão sendo feitas para a internet são extremamente exageradas, quero dizer, quando o telefone foi inventado…” Paxman começa.

“Claro que sim,” Bowie interrompe com um sorriso sarcástico.

“… as pessoas fizeram afirmações surpreendentes…” diz Paxman tentando terminar seu ponto.

“Eu sei, o presidente na época, quando o telefone foi inventado… Era um absurdo”, continuou Bowie. “Ele disse que previa o momento em que todos os lugares da América teriam telefones. Como ele se atreveria a dizer isso. Besteira.”

“Você percebe, eu não concordo”, diz Bowie. “Acho que nem vimos a ponta do iceberg. Acho que o potencial do que a internet irá fazer para a sociedade, tanto para o bem quanto para o mal, é inimaginável. Eu acho que na verdade estamos à beira de algo alucinante e terrível”.

“É apenas uma ferramenta, não é?” Paxman diz, claramente ainda acreditando que Bowie está tirando algo do nada.

“Não, não, é uma forma de vida alienígena”, diz Bowie rindo.

“O que você acha então…”, Paxman diz.

“Existe vida em Marte?” Bowie dispara de volta. “Sim, acabou de pousar aqui.”

“Mas é simplesmente um sistema diferente”, diz Paxman. “Você está discutindo sobre algo mais profundo.”

“É, estou falando sobre o contexto real e a forma que o conteúdo irá tomar, que será tão diferente de qualquer coisa que podemos imaginar no momento”, diz Bowie. “A interação entre o usuário e o provedor será tão sincronizada que vai modificar nossas ideias sobre os meios.”

Nesta semana David Bowie completaria 70 anos e hoje (10) faz exatamente um ano que o cantor morreu. No Plan, EP que reúne as últimas gravações do artista, está sendo lançado. Há também um clipe da faixa título no YouTube.



FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…