Pular para o conteúdo principal

Arquivo Ovni: Num trabalho inédito, alunos descreveram ao professor, suas experiências de avistamentos ufológicos, ocorridas na região de Campinas-SP.


O professor Carlos (detalhe) e um grupo de alunos visitantes do
“Museu Asas de Um Sonho", da TAM, na cidade paulista de São Carlos.

CAMPINAS UFOLÓGICA - O grande repórter, músico, divulgador das ciências do espaço e principalmente pesquisador ufológico, falecido em 1991, o senhor Cataldo Bove fez com que relatos de avistamentos de discos voadores e suas sondas (pequenos satélites), observados em Campinas e região desde a década de 1930, chegassem até minhas investigações, iniciadas em 1972.

Desde o mês de janeiro de 2.008 está ocorrendo um aumento vertiginoso, em toda a região, de relatos envolvendo discos voadores e sondas, fato esse observado por dois pesquisadores de Valinhos: Rodrigo Willi Betim, 33 anos e Fábio Eduardo Vieira Santos, 29 anos que, desde a adolescência realizam pesquisas sérias sobre o assunto.

Assim, desde o início do ano fui procurado por alunos, ex-alunos (formados em 1991, 1.992, 1.996, etc.), como por outras pessoas, para explicar as múltiplas observações de UFOs que muitos deles tiveram, sendo em alguns casos, por duas ou mais vezes. Meus alunos sabem que estudo e pesquiso o assunto desde 1972 e falo abertamente e de maneira científica sobre os discos voadores e seus tripulantes ao longo da História.

A presente onda ufológica, com seus altos e baixos, porém, sempre marcada com uma média de duas observações ufológicas semanais, para a região urbana da cidade de Campinas, praticamente começou em janeiro de 1999. Mostro a seguir, prova documental do início de um período que, em janeiro próximo, completa uma década de ocorrências em Campinas e região.

ARCO DOURADO - No dia 02 de março de 1999, terça-feira, às 05h55, a senhora Elza Aparecida Trovanini Fernandes (nascida em 1947 e moradora na Vila Padre Manoel da Nóbrega, bairro da Cidade), observou imenso objeto dourado, quando foi comprar pães a 150 metros da sua casa, que fica próxima à Rodovia dos Bandeirantes, que corta a região Oeste de Campinas.

O céu estava limpo, azul, com umas poucas nuvens brancas. De repente, a senhora Elza viu um arco dourado se formando. “Era dourado inteiro, um brilho muito bonito; lindo demais! Mas só eu estava vendo. Olhei para baixo (da rua) e não tinha ninguém. Olhei para cima, e vinha vindo um senhor, que eu tive vontade de chamá-lo para mostrar”, disse Elza.

Fato marcante foi a senhora Elza ter a certeza absoluta de que, aquilo que pensava, estava sendo monitorado por aqueles que estavam dentro do UFO, pois, logo após ver o arco e pronunciar por três vezes “Ah! Que lindo”, se materializou de imediato um disco voador. Então ela viu que, na verdade, o tal arco era somente a parte superior da cúpula de um disco voador. Assim que isso ocorreu, ela exclamou: -“Meu Deus, como você é lindo!”.

A testemunha disse também que, poucos instantes após a materialização completa desse disco voador dourado, o objeto... “sumiu no horizonte, como se estivesse sendo sugado”. O “sugado” descrito por ela, refere-se ao fato do disco voador sumir velozmente em direção ao horizonte, em direção à cidade de Sumaré.
Ainda comentou reafirmando várias vezes que, “Tive certeza de que ele estava me ouvindo”. Durante dois dias ela ficou com uma espécie de alegria e paz interiores muito marcantes. Provavelmente, causadas por uma grande quantidade de B-endorfinas.

Pedi para ela esticar o braço direito e com os dedos polegar e indicador, mostrar o tamanho do objeto observado. Ela repetiu isso durante dois dias seguidos de entrevistas e re-entrevista e, absolutamente sempre o tamanho do UFO cravou 13 centímetros. A distância do disco voador, dona Elza calcula em 1500 metros, com base em uma estradinha de terra, existente no local da observação e que ela já percorreu inúmeras vezes.


Desenho do disco voador, feito pela senhora Elza Aparecida Trovanini Fernandes e suas explicações
sobre a transformação do objeto, que primeiramente revelou sua parte superior e depois a inferior.

SONDA VAI-E-VEM - Entre os dias 13 e 14 de março de 1999, respectivamente no período das 23h40 às 00h35, enquanto aguardava o seu filho Márcio chegar dos estudos, a senhora Rosecler R. de A., advogada, assistia televisão na sala de seu apartamento, à rua Dr. Rodrigues Alves, nº 611, 8º andar, quando avistou uma imensa sonda ufológica, voando mais baixa do que os prédios do seu bairro (região do Botafogo). O objeto passou vindo do centro de Campinas e rumando pelo bairro Guanabara em direção a Jardim Chapadão e Castelo, onde se encontram a “Escola Preparatória de Cadetes do Exército”, a Companhia de Comunicações do Exército, o Batalhão de Infantaria Leve, o Círculo Militar de Campinas (clube), Fazenda Santa Elisa (do Instituto Agronômico de Campinas – fundado em 1.888), o ITAL – Instituto Tecnológico de Alimentos e o Aeroporto dos Amarais. Todos, locais fartamente visitados por discos voadores e sondas, pelo menos, desde a década de 1940.

A suposta sonda se encontrava na altitude do 8º andar e voava para o bairro do Jardim Chapadão. O objeto manteve sempre a mesma altura em relação ao solo. Isso ocorreu às 23h40. Rosecler afirma que, quando a sonda retornou, às 0h35, passou tão próxima que iluminou a cortina de sua sala. A senhora Rosecler teve tempo de ir até a janela, pois, por breves segundos a sonda parou junto da mesma e pôde vê-la passar por cima dos telhados das casas abaixo e pelo telhado da igreja lateral da rodoviária, iluminando todos os telhados durante o percurso e rumando para onde veio originalmente: em linha reta seria a região da cidade de Itatiba.


Desenho feito pela senhora Rosecler mostra como era a suposta sonda que ela observou.

OBJETO TIPO CHARUTO - Cansado de investigar depoimentos ufológicos no município de Campinas, resolvi pesquisar a região e consegui coletar o testemunho da senhora Eli Risinho, professora de português e inglês nas escolas municipal e estadual, na cidade de Cosmópolis, vizinha de Campinas.

No dia 26 de junho de 1999, sábado, das 17h às 18h, a senhora Eli, dois filhos e outras pessoas que passavam na rua José de Moraes, puderam observar um grande UFO, parecido com o formato clássico de “charuto” - em um primeiro momento. Foi observado desde quando desceu do espaço, até sumir no horizonte, muito lentamente. Na oportunidade, foi feita uma fotografia.

Na época da entrevista, levei junto Rogério Justino Alves, especialista em computação gráfica e atualmente, gerente senior de uma grande firma inglesa (está na unidade de Bristol, Inglaterra, com trabalhos para Discovery, National Geographic, Walt Disney etc.) e pudemos examinar melhor a fotografia no computador do jornal Gazeta de Cosmópolis, que primeiro publicou o ocorrido, na página 20, da edição de 04 de julho de 1999, domingo.

Pudemos observar que do meio do UFO, algo parecido com “fumaça”, se desprendia do mesmo. Os próximos meses foram de intensos avistamentos ufológicos em todas as regiões da cidade sendo que, de setembro de 1999 para cá, o UFO passou a ser de um mesmo formato e uma mesma trajetória previamente marcada. Na maioria das vezes, surgia em média, de quatro a cinco vezes por semana, no período de setembro de 1999 a dezembro de 2002. Neste ano, a ocorrência que era semanal, caiu para uma média de duas vezes por semana, o que continuou até dezembro de 2.007, quando novamente “explodiu” o número de observações. É claro que os jornais da Cidade, se calam sobre isso, nos últimos quatro anos.


Fotografia não mostra claramente o objeto em forma de charuto.
No detalhe acima, ampliação do objeto avistado em Cosmópolis.

LUZ QUE CHORA - No dia 29 de novembro de 2.000, quarta-feira, André L. de O., estava em vôo, em um avião Corisco [N.E.: prefixo e nomes dos demais tripulantes preservados.] e o piloto era A. Eles decolaram do Aeroporto dos Amarais, às 19h e seguiram para o Aeroporto de Viracopos. Demoraram 10 minutos para atingir 1.500 metros de altitude. Havia também no avião os jovens J. e F. que junto com André estavam tirando brevê. André é piloto.

Testemunhou André que, “O J. viu primeiro e me cutucou. O objeto estava a Leste de Viracopos, em cima do bairro do Castelo. Aí todo mundo viu. A impressão que eu tive era de ser o objeto, um avião 747. Mas daí, pelo rádio, ninguém estava vindo daquele lado: leste. A minha mãe disse que ele começou em cima do centro da cidade e, subiu um pouco, indo para cima do Castelo. Nesse momento o meu irmão Cláudio, de 22 anos, pegou o telescópio e olhou o objeto: só viu a luz, não tinha nenhum balão, era uma luz muito forte e branca. Do avião víamos o objeto parado. Acho que estava a uns 10 quilômetros do avião. O objeto não se mexia e começou a escorrer umas “lágrimas”, que pareciam aqueles fogos em forma de cascata. Caia uma por vez: caia uma, esticava, apagava e aparecia no mesmo lugar acesa de novo. No escorrer dava um feixe luminoso, maior na ponta. Parecia uma estrela cadente. Caia reto. Ela ia acendendo e apagando até o chão”.

O piloto acrescenta ainda que, “Eu devo ter visto por uns 20 minutos, porque eu estava prestando atenção no vôo. Foi o tempo da órbita: 25 minutos. Minha mãe estava escutando a gente [Rádio Yaesu-VX1R: capta a freqüência de Viracopos] e disse que durou meia hora. Das 21h às 21:30, toda a minha família viu. A gente pousou em Viracopos às 22h40, livramos a pista e o controlador de vôo, pelo rádio, perguntou se a gente tinha visto algum objeto lá para o lado de Mogi-Mirim. Falamos que sim. O controlador respondeu ‘ok’”.

Durante o período de observação do UFO, foram registradas curiosas ocorrências no aeroporto de Viracopos, senão, vejamos: um Fokker 100 da TAM sofreu pane de flapes e no FMS: computador que controla tudo no avião. Um avião da empresa Rio Sul pegou fogo num turbo-jato. Ele ia decolar e a turbina incendiou. Um 747 da Lufthamsa, que deveria estar indo para o Uruguai, teve um turbo-jato estourado. Ele estava parado; foi no turbo-jato 2 ou 3 e ocorreu quando acionou a turbina. Isso foi contado pelo F., que telefonou ao André, por volta de 0h.

Durante o vôo, André viu o UFO sumir na distância, no entanto, o objeto reapareceu e se aproximou a menos de três quilômetros de sua aeronave. Inclusive, todos que estavam presentes no pequeno avião Corisco viram, “Não tinha mais as ‘lágrimas’, a luz não tinha mais a mesma intensidade do início, mas era mais forte do que as lágrimas. Peguei o UFO descendo, a luz mais fraca; desceu muito rápido e não piscava. Desceu mais rápido do que se fosse um objeto em queda pela gravidade da Terra. E sumiu”, disse.

Na época, o aluno Marco A. de L., do 3º C, pertencente à equipe de baloeiros e especializado em balões gigantes, forneceu-me várias fotografias de balões simplesmente enormes que, em hipótese alguma poderia ser confundido com o disco voador luminoso que milhares de pessoas por toda a cidade avistaram, filmaram e até desenharam. Ele e outros especialistas em balões explicaram detalhadamente como aquele UFO não poderia ser confundido com balões ou coisas semelhantes.


Fotografia com desenho do objeto feito por André, no dia seguinte a noite em que viu o enorme UFO.
Ele tirou essa fotografia no exato local em que havia visto a luz “gotejar”. Percebe-se que o formato
desse objeto tem certa semelhança com o desenho feito pela senhora Rosecler (acima).

EXPERIÊNCIAS DE PETTENÁ - Em 31 de março de 2001, sábado, entrevistei o senhor Rodolpho Pettená, conhecido como Coronel Pettená, apesar de reformado na patente de general do Exército do Brasil. Ele me concedeu uma entrevista em sua residência, à avenida Esther Morethzshon Camargo, bairro Parque São Quirino.

Na noite de 21 de dezembro de 2000, às 21h, durante a festa do seu 76º aniversário, com centenas de convidados, todos viram quando o disco voador, velho conhecido, fez seu trajeto, agora sempre parando na região Leste/Sul de Campinas. O objeto soltava fagulhas e partiu em direção de onde veio, a divisa de Campinas com a cidade de Sumaré.

De próprio punho, o Coronel Pettená escreveu: “Foto tirada pelo Cel. Rodolpho Pettená em sua residência na avenida Esther Moresthzon Camargo– Parque São Quirino – Campinas, na noite de 21 de dezembro de 2000 – às 21h, na festa do seu aniversário”.

“Milhares de pessoas viram o fenômeno e Raquel minha filha e os netos Caio e João Henrique Pettená”, me disse o Coronel. Sobre o fato de “sempre” a maioria dos astrônomos, que nada entende de ufologia, dizer que todo disco voador se trata de balão, afirmou o Coronel Pettená: “Balão na cabeça de ignorante e medroso”.


Coronel Pettená: oficial de alta patente (se reformou no posto de General),
testemunha de várias observações ufológicas, como a presente.

O Coronel Pettená, viu UFOs nas seguintes ocasiões, aqui sintetizadas: 1ª vez – Praia de Caiobá, Paraná. Não se recorda a data. Era meio-dia e uma bola de fogo passou pela serra. Estava muito alto. Ele estava com o senhor Honório Chiminazzo e esposa.

2ª vez – Fevereiro de 1991. Peruíbe, SP. Estava com o senhor Jaime de Castro, dono da Rádio Anchieta. Avistaram dois objetos luminosos, que faziam um losango no ar, ao voarem. Iam e voltavam e foram de Peruíbe a Itanhaém (21 quilômetros pela estrada); isso ao meio-dia, muito alto, céu límpido e azul. O senhor Jaime (estavam no centro da cidade), entrou no ar, do local, falando aos ouvintes que ele e o Coronel Pettená, estavam vendo dois objetos estranhos no ar, em forma de losango. Eles apareceram bem em cima no céu e até desaparecerem no horizonte a observação durou de três a quatro minutos. Salienta que, todos os ouvintes da Rádio Anchieta, foram convocados a observarem os UFOs.

3ª vez – Em 21 de dezembro de 2000, quinta-feira, às 21h, por durante 30 minutos, toda a família, convidados e dezenas e dezenas de pessoas observaram o UFO, vindo lentamente da região Norte, cerca de 30 graus de altitude, indo até o Leste, na região do Bairro do Jardim Flamboyant. A cor era branca. Parando ao Sul, soltou luzes que caíam, como fogos de artifício em cascata, na cor prateada. “Fagulhas de prata”, segundo a testemunha. Do sul, em uma velocidade excepcional, saiu em direção a oeste, sumindo no horizonte. A velocidade era muitas vezes maior que a de qualquer avião a jato.

4ª vez – Em 18 de março de 2001, domingo, entre 21 e 21h30, como na vez anterior. Várias pessoas da família e nas ruas presenciaram a aparição, que se comportou idêntica a do dia 21 de dezembro de 2000.

5ª vez – Em 22 de março de 2001, quinta-feira, quatro dias depois do avistamento anterior. O objeto veio no mesmo trajeto, porém, todos viram uma luz vermelha que apagava e acendia. Quando o UFO estava no nascente, saiu em enorme velocidade para a região oeste, em direção à cidade de Sumaré.

E assim continuam as observações durante meses e anos, com os meios de comunicação silenciando, apesar de centenas e centenas de pessoas telefonarem para as estações de rádio, canais de televisão e jornais da cidade e região.


UFO fotografado por Rodolpho Pettená, aparece como um ponto branco,
entre a cerca elétrica. No detalhe abaixo, a sua ampliação.

GRUPO DE ESFERAS - No dia 1º de setembro de 2004, exatamente às 13h50, Daniel F. P., ministrando aula de inglês para as crianças de uma pré-escola particular no distrito de Barão Geraldo, observa o que deveria ter sido um grupo de sondas ufológicas em pleno vôo ascensional. Comenta Daniel: “Felizmente a aula era no quintal e as crianças estavam entretidas numa brincadeira chamada ‘Caça ao Tesouro’. Ouvi grito assustado da professora F.: ‘Daniel, o que é aquilo?’, e foi logo apontando para cima. Olhei imediatamente. O que vi era realmente curioso: uma grande nuvem de esferas (pontos do tamanho de estrelas). Esses pontos, centenas deles, realizavam inúmeros movimentos extremamente rápidos, sempre para cima. Depois percebi um grupo de pássaros, não mais do que oito, que foi atingido pelos pontos. Os animais tentaram se afastar utilizando várias rotas, pois os pontos eram em enorme quantidade. Os pássaros não estavam sendo atacados e rapidamente escaparam, pois os pontos seguiam sua trajetória ascendente”.

A testemunha comentou a evolução das esferas, “Rapidamente eles (pontos) se dirigiram para cima, tornando a nuvem menor e tornando-se menos visíveis. O espetáculo durou cerca de 10 minutos, o que não conseguirei precisar, pois me encontrava maravilhado. O dia estava quente e seco, muita luz e ausência total de ventos. Céu azul com horizonte poluído, tingido de cinza. Temperatura entre 27º C. e 30ºC.”.

Daniel informa também, que não foi a única testemunha, “Quem viu mesmo foi a professora F. que logo me alertou. Os pontos estavam muito baixos ainda e foi uma visão impressionante. Depois, duas outras professoras vieram observar também. Conjeturaram se tratar de folhas ou paina voando, lixo e até propaganda eleitoral. Automaticamente descartei essas hipóteses (absurdas), o que fez elas entrarem para não olhar, pois devia se tratar de um assunto proibido (segundo as próprias palavras delas), que não tinha uma explicação imediata. Somente a professora F. ficou, as outras duas entraram, que pertencem a seita Assembléia de Deus, ou seja, evangélicos protestantes. Nenhuma criança observou o fato, pois, como já disse, estavam muito entretidas”.

Para Daniel, “Não era lixo nem folha voando (nem vento existia), muito menos panfletos de propaganda eleitoral. Também não sei o que era, mas parece a propagação de uma forma de energia inteligente. Pontos brancos do tamanho de estrelas, realizando rápidos movimentos para cima, para o céu. Uns 15 minutos antes do avistamento, quatro helicópteros passaram em fila sobre a escola. A nuvem de pontos surgiu, na escola, entre o Norte e o Oeste”.


Desenho feito por Daniel, de um grupo de sondas ufológicas, observado em 1º de setembro de 2004.

MEIA-LUA VELOZ - No dia 20 de outubro de 2004, sexta-feira, às 19h20, estava conversando com Daniel perto da entrada principal da Unicamp, quando presenciamos a passagem de um UFO. Ao olharmos para cima, vimos um UFO, parecendo metade de uma Lua cheia, passando mais veloz do que um avião a jato.

O céu estava estrelado, com um mínimo de vento e sem nenhuma nuvem. O UFO estava cerca de 75º de altura e a observação muito bem visível, durou de 15 a 20 segundos. Vinha da região do distrito de Sousas e foi para a região de Campinas e Sumaré. Voava com a metade voltada para baixo, era brilhante, muito brilhante, claro, cor branca levemente azulada.

LUZ QUE 'SE FECHA' - No dia 18 de novembro de 2005, sexta-feira, entre 19h30 e 20h (horário de verão), os jovens Leonardo F., 17 anos e sua namorada Bianca de M., 18 anos, estavam na quadra aberta da Unidade COC-Guanabara (colégio particular onde faziam cursinho para vestibular), quando avistaram uma luz “estranha”.

Bianca conta que, “Olhei primeiro a luz a disse: ‘Olha Léo, que luz estranha!’. Léo, respondeu: ‘Estranha mesmo!’. A luz apareceu, brilhou forte, oscilou e foi diminuindo, fechando. A luz estava debaixo das nuvens, pois o tempo estava nublado. A luz foi ‘fechando/sumindo’ e sempre em movimento. A luz veio das bandas do bairro da Vila Nova e sempre em movimento. Ela estava alta e continuou subindo, diminuindo até que sumiu, antes de entrar nas nuvens. O vento, pouco acima do chão, deveria estar por volta de 30 à 60 quilômetros por hora”.

Ela relembra detalhes, “A cor era branca, forte, o brilho era branco forte, meio amarelado. A velocidade contínua, como se um avião estivesse vindo. Mas, não era avião, porque o formato não era de avião, era oval a forma da luz; não tinha as luzes de sinalização das aeronaves. Sumiu apagando lentamente e de forma contínua”.

A observação toda durou entre sete e 10 segundos. Não foi observada nenhuma aeronave ou luz desconhecida. Os dois ficaram no pátio mais umas duas horas e trinta minutos, pois estavam tendo aula-dica para o vestibular. Os jovens calcularam a distância horizontal entre 1.800 e 2.000 metros e altura, aproximada, de 400 a 500 metros, com base nas nuvens densas, com ameaça de chuva, embora não tenha chovido durante e nem depois da observação. O objeto sumiu pouco antes de “entrar” na nuvem. Se não tivesse sumido antes, teria entrado no meio das nuvens.

LUZ BRANCA E LOSANGULAR - No dia 28 de novembro de 2005, segunda-feira, eu colhi outro relato de um aluno, que não sabia (como os demais), do relato dos alunos Leonardo e Bianca. Murillo A. M., 18 anos, do 3º colegial “B”, observou da janela da sala de sua residência, à rua Amélia Bueno Camargo, bairro do Jardim Santana, Campinas, entre as 19h30 horas e 20h (horário de verão), durante aproximadamente três minutos, no Poente, em uma inclinação entre 18 e 20 graus, uma forte luz branca, de aparência losangular vertical, com tamanho estimado em quase dois centímetros (braço direito esticado e utilizando os dedos polegar e indicador).

Em determinado momento, do lado direito dessa luz (mas não muito próximo), surgiu uma pequena luz vermelha que, em linha reta, na horizontal, com velocidade superior a três vezes ao de um avião a jato, sumiu em vôo da esquerda para a direita, o que durou cerca de cinco segundos.

Na direção do poente se situa a divisa dos municípios de Campinas, Hortolândia e Sumaré, sendo que esse último se encontra no rumo que o objeto de forte luz vermelha vôou e onde surge, desde janeiro de 1999, um característico disco voador, fartamente observado nos últimos anos e, inclusive, fotografado.

FORMATO OVAL - Neste ano de 2008, dezenas de relatos já chegaram até mim. Escolhi dois, de alunos considerados sérios, que conseguiram desenhar o que observaram. O aluno Thiago G. de A., 2º colegial, relatou que, “No dia 12 desse mês (abril de 2.008), eu, minha mãe e minha irmã estávamos na Rodovia Anhangüera, à caminho da cidade de Vinhedo por volta das 19h, quando avistamos uma mancha branca com um formato oval no céu, que se movimentou rápido, de um lado para o outro”.

Thiago informa que o céu estava estrelado, ventava pouco e não havia aviões. Calcula a altura do objeto em aproximadamente 70 graus em sentido norte. “A princípio, pensávamos que fosse refletores. Conforme saímos da Anhangüera para fazer o contorno para Valinhos ele desapareceu. O tempo que ele permaneceu no céu foi de aproximadamente 15 minutos; após dois minutos, ele reapareceu e ficou visível por cerca de 10 minutos. Sua altura foi sempre a mesma de frente para o carro. Quando cheguei na Vila João 23, fui para a praça onde tentei tirar uma foto, mas não o encontrei”, afirmou.

Ele estava em companhia de seus primos, que também viram o objeto, “A reação de nós três foi de espanto, deduzindo que o objeto era um vulto de uma nave. Nós nunca tínhamos visto algo parecido. Estavam comigo na praça duas pessoas: meu primo Raul, 16 anos e minha prima Thaís, 13 anos”.

No dia 12 de abril de 2008, novo avistamento observado pelo aluno Bruno C., do 3º colegial “A”, sem saber absolutamente nada do avistamento do aluno Thiago, já que nada foi noticiado.


Desenho feito por Thiago. 2º colegial "A", sobre sua observação,
no dia 12 de abril de 2008 - mesmo dia da observação do aluno Bruno.

TRÊS LUZES AMARELAS - Segundo Bruno, “Eram mais ou menos 20h30 de sábado (12/04), quando avistei no céu, dois grupos de três luzes amarelas. Seguiam sentido centro de Sumaré, quando um desses grupos de luzes deu a volta e foi em sentido contrário ao outro. Nesse momento, suas luzes ficaram mais intensas que as outras, quando se aproximaram. A que estava com as luzes acesas mais intensamente, apagou e a outra não. Depois de se cruzarem, ela voltou a acender suas luzes. Algo que me chamou a atenção foi que bem acima delas passava outra luz da mesma cor, mas tinha mais duas luzes, uma vermelha e outra azul, dando a impressão de que era um avião, diferente dos dois grupos de três luzes que só era amarelas”.

Após o relato do aluno Bruno, já recebi na escola e por e-mail, como disse no início desse modesto artigo, algumas dezenas de testemunhos de pessoas que continuam relatando recentes observações ufológicas, de naves e/ou de sondas, em todo o município de Campinas e região circunvizinha.

FONTE: José Carlos Rocha Vieira Júnior é professor de História e ufólogo desde 1974.
- Fotografias: Do arquivo do autor.
- Produção: Pepe Chaves. http://www.viafanzine.jor.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…