Pular para o conteúdo principal

Moléculas orgânicas prebióticas são encontradas no espaço


O metanol, uma das maiores moléculas orgânicas detectadas no espaço até hoje, foi encontrado em um disco a partir do qual deverão se formar planetas. [Imagem: ESO/M. Kornmesser]

Metanol no espaço

Duas observações astronômicas independentes trouxeram informações inéditas sobre a presença no espaço de compostos químicos associados com a vida.

O radiotelescópio ALMA, no Chile, identificou pela primeira vez o álcool metílico gasoso, ou metanol (CH3OH), em um disco protoplanetário.

O metanol, um derivado do metano, é uma das maiores moléculas orgânicas complexas detectadas no espaço até hoje. Identificar a sua presença em objetos preplanetários representa um marco importante na astroquímica, ajudando a compreender como é que as moléculas orgânicas são incorporadas nos planetas em nascimento.

Além disso, o metanol é ele próprio um bloco constituinte de espécies mais complexas de importância prebiótica fundamental, como os compostos dos aminoácidos. Por tudo isto, o metanol desempenha um papel vital na criação da química orgânica rica necessária à vida.

Enquanto outros compostos químicos detectados no espaço são formados apenas pela química de fase gasosa, ou então por uma combinação das fases gasosa e sólida, o metanol é um composto orgânico complexo, que é formado apenas na fase gelada, provavelmente através de reações na superfície de grãos de poeira - e não pelo simples choque e combinação de elementos mais simples no espaço.

O disco protoplanetário em torno da jovem estrela TW Hydrae, onde o metanol foi encontrado, é o disco mais próximo da Terra que se conhece, a uma distância de apenas 170 anos-luz, o que o torna um laboratório ideal para estudar os fenômenos associados com a vida no espaço. Além disso, ele assemelha-se bastante ao que os astrônomos acreditam que tenha sido o Sistema Solar durante a sua formação, há mais de 4 bilhões de anos.


As moléculas quirais foram encontradas perto do centro da Via Láctea. [Imagem: B. Saxton-NRAO/AUI/NSF-N.E. Kassim/SDSS]

Moléculas quirais no espaço

Já o telescópio GBT (Green Bank Telescope), nos EUA, flagrou nada menos do que uma molécula quiral no espaço.

Assim como as mãos humanas, certas moléculas orgânicas têm imagens espelhadas, ou seja, elas ocorrem em versões destras e canhotas - esta é a propriedade química conhecida como quiralidade. Como não se sobrepõem - assim como as mãos humanas - as duas versões da mesma molécula têm características diferentes.

O mais interessante em toda essa história é que a a vida tende a se basear em moléculas canhotas. Embora os cientistas ainda não saibam o porquê, o fato é que a quiralidade pode ser encontrada em toda a vida orgânica. Os aminoácidos, por exemplo, são sempre canhotos, enquanto os açúcares e o DNA são versões destras.

Agora os astrônomos encontraram a primeira molécula orgânica quiral no espaço, o óxido propileno (CH3CHOCH2), identificada próxima ao centro da nossa galáxia, em uma enorme região de formação de estrelas conhecida como Sagitário B2.

"Esta é a primeira molécula detectada no espaço interestelar que tem a propriedade da quiralidade, um avanço pioneiro em nosso entendimento de como as moléculas prebióticas são formadas no Universo e os efeitos que elas podem ter nas origens da vida," disse Brett McGuire, membro da equipe.

Assinaturas moleculares

Até agora, mais de 180 moléculas já foram detectadas no espaço. Conforme cada molécula vibra naturalmente no vácuo do meio interestelar, ela emite uma assinatura distinta, que aparece como uma série de picos no gráfico que representa o espectro de radiofrequências coletadas pelos radiotelescópios. Moléculas maiores e mais complexas têm uma assinatura mais complexa, tornando mais difícil detectá-las.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…