Pular para o conteúdo principal

Um planeta anão quase do tamanho de Plutão vem se escondendo no sistema solar



Mesmo em um universo cheio de planetas, o 2007 OR10 é especial. Ele é relativamente grande, apenas um pouco menor do que Plutão; e ele está próximo, dentro do nosso próprio sistema solar. Ainda assim, ele pegou astrônomos de surpresa.

Pesquisadores do Observatório Konkoly (Hungria) revelam no Astronomical Journal que descobriram novos detalhes sobre o planeta 2007 OR10: ele é o terceiro maior planeta anão já visto em nosso sistema solar.

O 2007 OR10 tem diâmetro de 1.535 km, o que o torna um monstro se comparado a outros planetas anões em nosso sistema solar – só é menor que Plutão (2.374 km) e Eris (2.326 km). Ele também é o maior planeta sem nome próprio em nosso sistema solar.

Até mesmo planetas anões que são consideravelmente menores, como Haumea e Makemake, são tidos como grandes o suficiente para precisar de nomes.


Imagem: Konkoly Observatory/András Pál, Hungarian Astronomical Association/Iván Éder, NASA/JHUAPL/SwRI

Novos planetas são descobertos o tempo todo, graças ao telescópio espacial Kepler. Na verdade, a missão encontrou recentemente mais de 1.200 novos exoplanetas, trazendo o total para mais de 3.200.

Pesquisadores sabem da existência do 2007 OR10 desde 2007, como o nome indica, mas seu tamanho só foi determinado recentemente porque ele tem uma superfície escura e uma órbita estranha.

A superfície do planeta é de um vermelho incrivelmente escuro, talvez devido a uma cobertura constante de gelo de metano. A falta de luz reflexiva tornou difícil para o Kepler detectar o planeta, e também para saber seu verdadeiro tamanho. Além disso, o planeta tem um tempo de rotação incrivelmente lento que lhe dá um dia de 45 horas, um dos mais longos do sistema solar.

A rotação lenta, além de uma longa órbita elíptica, tornou difícil detectar o planeta por muito tempo, embora o Kepler tenha conseguido pegar um breve vislumbre em 2014, como você pode ver aqui:



O planeta anão poderia facilmente ter continuado a fugir do exame de astrônomos, se os pesquisadores de Konkoly não tivessem pensado em emparelhar os dados do Kepler (NASA) com dados do observatório espacial Herschel (ESA).

Ao combinar informações do Kepler sobre a quantidade de luz que o planeta reflete, e informações do Herschel sobre a sua radiação de calor, os pesquisadores finalmente puderam calcular o tamanho exato dele. A descoberta também sugere uma boa forma de se aprender mais sobre estes planetas menores.

Agora, os astrônomos do Observatório Palomar (EUA) – que descobriram o planeta em 2007 – começaram a contemplar possíveis nomes. Depois, o planeta anão começará o processo de ser reconhecido pela União Astronômica Internacional, o que pode demorar um pouco. Ainda assim, isso significa que o 2007 OR10 não deve manter essa designação por muito tempo.

[NASA]

Primeira imagem: conceito artístico do 2007 OR10/NASA

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …