Pular para o conteúdo principal

Capa da invisibilidade pode estar próxima de se tornar real


O pesquisador Joseph Choi desenvolveu dispositivo digital de invisibilidade (J. Adam Fenster/University of Rochester/Divulgação)

Nas pesquisas anteriores, objetos escondidos deveriam ser microscópicos. Com o invento, eles podem ter até 35 centímetros de altura

Uma dupla de pesquisadores da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, conseguiu, pela primeira vez, camuflar objetos maciços, de até 35 centímetros de altura, sob uma “capa da invisibilidade”. Usando técnicas de óptica em um dispositivo digital, os cientistas conseguiram tornar imperceptíveis à visão humana elementos bem maiores do que os utilizados em estudos anteriores – que eram microscópicos – o que significa um imenso avanço na área.

Publicada recentemente no periódico especializado Optica, a nova técnica conseguiu aprimorar a primeira “Capa Rochester”, criada em 2014, que consistia em um dispositivo que, utilizando quatro lentes alinhadas, conseguia o efeito de invisibilidade em itens postos imediatamente atrás delas. Dependendo da maneira como são agrupadas, as lentes desviam as ondas luminosas refletidas pelos objetos (eles só se tornam visíveis ao olho humano ao refletirem a luz). Elas seriam redirecionadas de tal forma que, sem atingirem o olho humano, fazem o objeto se tornar imperceptível – para o observador, o efeito é como se ele não existisse.

O problema desse dispositivo era que, quando o observador mudasse de posição, o efeito de invisibilidade se extinguiria; para conseguir esconder coisas muito grandes, portanto, seriam necessárias lentes enormes, o que tornava o projeto impraticável.

Digitalizado – Agora, a “Capa Rochester” digital, desenvolvida pelos pesquisadores americanos Joseph Choi e John Howell, possui um campo muito maior de invisibilidade. Uma película composta por uma estrutura de finas lentes cilíndricas colocada sobre um tablet que transmite a imagens focadas por ele é capaz de desviar todos os raios de luz que incidem sobre os objetos. Essa distorção torna as coisas vistas pelo tablet, através da lente, invisíveis.

“Esse sistema calcula a direção e a posição dos raios luminosos para que eles sejam dispostos de tal forma que o resultado é que a área atrás do dispositivo fica completamente invisível”, explicam os pesquisadores em um vídeo divulgado para explicar a invenção (confira abaixo).

Capa da invisibilidade – O dispositivo possui algumas limitações. A “Capa Rochester” digital é capaz de cobrir a área restrita a um ângulo de 29 graus, sendo incapaz de ampliar a área “invisível”. Além disso, se o fundo se movimentar, o objeto volta a ser perceptível pelos olhos humanos.

Os pesquisadores afirmam que precisam melhorar a resolução da imagem, que está longe de ser fiel ao que nossos olhos veem naturalmente. A dupla pretende que o próximo passo da pesquisa seja aliar essa tecnologia às lentes flexíveis já são disponíveis no mercado. Quando aprimorado, o dispositivo poderia até mesmo tornar invisível um carro em movimento.

FONTE: REVISTA VEJA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…