Pular para o conteúdo principal

Construído buraco de minhoca que teletransporta magnetismo


A esfera é composta por uma camada de fitas supercondutoras e outra de placas ferromagnéticas, atravessadas por uma mangueira de transportar magnetismo.[Imagem: Jordi Prat-Camps et al. - 10.1038/srep12488]

Túnel de invisibilidade

Em 2007, físicos descreveram um modelo matemático que demonstrava ser possível construir uma fenda espacial eletromagnética.

Embora usassem o termo fenda espacial, ou buraco de minhoca (wormhole), em vez de um atalho pelo Universo, o que Allan Greenleaf e seus colegas idealizaram é mais parecido com um "túnel de invisibilidade", através do qual radiações eletromagnéticas poderiam transitar sem deixar qualquer pista.

Isso seria extremamente útil porque permitiria evitar interferências eletromagnéticas em virtualmente qualquer aparelho - por exemplo, em aparelhos de ressonância magnética, que interferem com outros equipamentos que poderiam ser usados para monitorar os pacientes.

Buraco de minhoca magnético

Agora, três pesquisadores da Universidade Autônoma de Barcelona, na Espanha, seguiram a teoria e construíram o que eles chamam de "buraco de minhoca magnético".

Eles usaram os mesmos metamateriais usados nos mantos de invisibilidade para criar um túnel através do qual as ondas eletromagnéticas podem se propagar de forma invisível, ou seja, sem serem detectadas externamente.

O buraco de minhoca magnético consiste em uma esfera de 9 centímetros de diâmetro atravessada por um tubo feito de uma folha fina de liga ferromagnética de níquel e ferro, uma versão modificada da mangueira de transportar magnetismo que a mesma equipe havia criado em 2014.

"Usando metamateriais magnéticos e metassuperfícies, o buraco de minhoca transfere o campo magnético de um ponto a outro no espaço através de um caminho que é magneticamente indetectável," escreve o trio.

"Nós demonstramos experimentalmente que o campo magnético de uma fonte em uma extremidade da fenda espacial aparece na outra extremidade na forma de um campo magnético monopolar isolado, criando a ilusão de um campo magnético se propagando através de um túnel fora do espaço 3D," acrescentam.


O efeito prático é que o campo magnético desaparece de um lado do buraco de minhoca e reaparece do outro, como se a esfera não estivesse lá. [Imagem: Jordi Prat-Camps et al. - 10.1038/srep12488]

Ressonância magnética

Embora não possa ser detectado, o campo magnético que passa pelo túnel de invisibilidade pode ser modificado por um outro campo magnético externo, mostrando que não há um teletransporte verdadeiro.

Para o teletransporte, seria necessário tornar invisível o próprio túnel de invisibilidade. Como a teoria não tem nenhuma objeção a isso, esta é uma possibilidade para futuros experimentos.

A equipe afirma que pretende testar os buracos de minhoca magnéticos na prática para permitir que diversos aparelhos de ressonância magnética trabalhem juntos sem que cada um interfira com o outro.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …