Pular para o conteúdo principal

Meteoro abriu cratera no Sertão Pernambucano há 3,2 mil anos


Cratera tem 550 metros de diâmetro e 120 de profundidade

Pesquisadores querem transformar área em Santa Cruz da Baixa Verde em parque natural

O pequeno município de Santa Cruz da Baixa Verde – outrora distrito de Triunfo – no Sertão do Pajeú, guarda um registro fascinante de um evento raro, ocorrido em tempos remotos, há estimados 3,2 mil anos. A misteriosa Cratera da Panela, imenso buraco elíptico de 550 metros de diâmetro e 120 de profundidade, foi aberta pelo impacto de um meteoro, que ainda formou várias lagoas na região. Depois de confirmar a hipótese, dois pesquisadores, um brasileiro e um alemão, propõem que o lugar seja transformado em parque natural.


Na semana passada, o paleontólogo Bernd-D Erdtmann e o professor Pierson Barreto, pós-doutorando no Programa de Desenvolvimento e Meio Ambiente (Prodema) da UFPE, voltaram a Santa Cruz da Baixa Verde para visitar as Lagoas do Lunardo, Santa Cruz e de Santa Luzia. Eles acreditam que todas sejam paleolagoas (lagoas antigas), formadas pelo mesmo meteoro de 40 metros de diâmetro que abriu a Cratera da Panela. “O que estamos fazendo agora é aprofundar os estudos na área para identificar se essas formações também são de origem cósmica”, explica o professor Pierson.


O professor conta que conheceu a cratera e as lagoas em 1995, durante visita à região. Astrônomo amador desde a adolescência, Pierson resolveu coletar mostras das rochas para fazer pesquisa. Contactou geólogos da UFPE, Universidade de São Paulo (USP) e da Unicamp. Muitos vieram ao local. Em 2005, em viagem a Berlim (Alemanha), conheceu o professor Erdtmann, da Universidade Técnica da capital alemã, a quem mostrou o material. “Ele perguntou se tinham sido coletadas em Yucatán (México)”, lembra, referindo-se à região onde há uma imensa cratera aberta pela queda de um meteoro, há 65 milhões de anos, que desencadeou o processo de extinção dos dinossauros.


No ano seguinte, o geólogo e paleontólogo alemão veio a Pernambuco observar o suposto ponto de impacto do meteoro. Erdtmann já conhecia o País. Foi aqui, em 1980, em Corumbá (MS), que ele e o colega Detlef Hans-Gert Walde descobriram e pesquisaram as corumbelas, organismos primitivos que habitaram a Terra há 550 milhões de anos. Antes, já tinha feito um trabalho com técnicos da Petrobras sobre rochas encontradas nas bacias do Rio Grande do Norte e da Nigéria (África), há 100 milhões de anos, que teriam dado origem à parte do petróleo conhecido.


Depois de visitar a cratera, o paleontólogo entendeu que se tratava de um buraco aberto por meteoro. “O mais convincente para mim foi o conglomerado de rochas metamórficas, formado pelo provável impacto de um meteoro, e a forma elíptica da cratera, com uma parte mais profunda que outra”, explica Erdtmann. As rochas cristalinas da região foram fundidas pelo calor da explosão, acima de dois mil graus centígrados, gerando o que os cientistas chamam de impactitos. “Outra causa poderia ser um vulcão, mas a hipótese foi descartada porque não há vulcões na área.”

FONTE: http://jconline.ne10.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…