Pular para o conteúdo principal

Samambaias são fósseis vivos, afirma estudo


Samambaia (Osmunda japonica), parente próxima da espécie encontrada no fóssil do período Jurássico (Benjamin Bomfleur/Swedish Museum of Natural History)

Pesquisadores suecos analisaram um fóssil de 180 milhões de anos da planta e descobriram que seu genoma não mudou ao longo dos anos

Cientistas encontraram evidências de que as samambaias de hoje são “fósseis vivos”. É o que indica um exemplar da planta de 180 milhões de anos encontrado no sul da Suécia. A análise das estruturas celulares bem preservadas do fóssil mostrou que ele é praticamente idêntico à espécie Osmundastrum cinnamomeum, uma samambaia presente na Europa, na América e na Ásia.

"O genoma dessas samambaias continuou essencialmente o mesmo desde o período Jurássico (entre 199 milhões e 145 milhões de anos)", afirma a pesquisadora Vivi Vajda, da Universidade Lund, na Suécia, coautora do estudo publicado na última quinta-feira na revista Science. "Trata-se de um exemplo supremo de estagnação evolutiva."

Fóssil bem preservado — As análises mostraram que a planta da família Osmundaceae foi conservada por uma erupção de lava, antes de começar a se decompor. Com isso, organelas raramente encontradas em fósseis, como as membranas celulares, núcleos e cromossomos das células vegetais, ficaram preservados e puderam ser recuperados pelos cientistas. Para estudar o fóssil da samambaia, os cientistas usaram microscópios, raios-x e análises geoquímicas. E perceberam que o tamanho do núcleo das células e o próprio conteúdo do DNA da planta quase não sofreram modificações ao longo dos anos — é idêntico a outras espécies da mesma família.

O fóssil da samambaia foi recolhido nos anos 1960 por um fazendeiro do sul da Suécia e doado ao Museu de História Natural do país. Ele ficou esquecido nos arquivos da instituição por quarenta anos, até que a equipe resolveu estudar a rocha.

FONTE: REVISTA VEJA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…