Pular para o conteúdo principal

Brasileiros usam quase-átomos para criar moléculas fotônicas


A grande novidade do trabalho dos brasileiros foi a utilização de "quase-átomos" para criar moléculas fotônicas.[Imagem: Luis Barêa et al./Photonics Journal]

Processamento com fótons

Pesquisadores da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas - SP) criaram moléculas fotônicas que estão chamando a atenção da comunidade científica internacional.

Luís Alberto Barêa e Newton Frateschi afirmam que as moléculas fotônicas poderão ser a solução para o "aumento exponencial da demanda por bits", que está trazendo dois problemas principais: a necessidade de sistemas de transmissão de dados cada vez mais rápidos e a exigência de um consumo de energia cada vez menor.

"O objetivo é produzir dispositivos capazes de conduzir e confinar a luz, ou então atrasar um sinal, a fim de separá-lo, modificá-lo ou combiná-lo," explica Frateschi.

A solução consiste em dispositivos optoeletrônicos e fotônicos baseados em microrressonadores ópticos, que permitem confinar fótons fortemente, dentro de cavidades diminutas, proporcionando baixo consumo de energia, alta velocidade de processamento e altos tempos de vida fotônica.

Quase-átomos

Quase todos os sistemas fotônicos atuais são baseados em ressonadores na forma de anéis - há poucos dias, uma equipe de Cingapura apresentou um novo conceito de ressonador em forma de esfera, uma espécie de átomo artificial:

Como fabricar um átomo artificial
Os pesquisadores brasileiros preferem chamar esses dispositivos inovadores de "quase-átomos".

Ao se confinar espacialmente o fóton dentro de um ressonador, tem-se algo semelhante a um átomo, no qual o elétron fica retido espacialmente em torno do próton.


Ao se confinar espacialmente o fóton dentro de um ressonador, tem-se algo semelhante a um átomo. [Imagem: Luis Barêa et al./Photonics Journal]

"A semelhança entre as situações permite chamar esses ressonadores de 'quase átomo' - 'quase' porque o elétron não é extraído facilmente do átomo, ao passo que o fóton sim, de tal forma que deve haver um suprimento de fótons constante para manter o confinamento," explica Frateschi.

"Combinando os átomos da tabela periódica, temos uma infinidade de compostos que podemos produzir. Da mesma forma, quando produzimos, confinamos e combinamos 'quase átomos', cada qual com certa propriedade, surgem resultados impossíveis de se atingir com um único ressonador. E que permitem aumentar o poder de modulação da luz, armazenar micro-ondas (apesar de serem moléculas de luz) e prover atrasos consideráveis nos sinais, o que é importante para obter um tipo de memória fotônica," explica ele.

Moléculas fotônicas

Mas a grande novidade do trabalho dos brasileiros foi desenvolver uma forma para encadear os quase-átomos, criando as moléculas fotônicas.

Eles combinaram diversos tipos de ressonadores - os quase-átomos - e acoplaram esses ressonadores uns aos outros para formar uma estrutura semelhante a uma molécula, que, em vez de elétrons em seu interior, possui fótons.

O material fotônico produzido tem propriedades que dependem não só das propriedades dos ressonadores individuais, mas também da forma como eles "reagem", isto é, como são acoplados para formar as moléculas fotônicas.

Os cálculos indicam que as moléculas fotônicas permitem uma modulação 2,75 vezes mais rápida utilizando um dispositivo que é 495 vezes menor.

"Estamos falando de dez vezes menos potência óptica, o que é bastante; no atual estágio dessa tecnologia, uma redução de 1% já seria muito importante. Realmente, isso quebra paradigmas," disse Frateschi.

O objetivo da equipe agora é construir os primeiros protótipos tecnológicos, que possam ser testados em condições reais encontradas nas telecomunicações.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…