Pular para o conteúdo principal

Robôs médicos podem ser hackeados enquanto estão fazendo cirurgia



Pesquisadores da Universidade de Washington, em Seattle, simplesmente tomaram o controle de um robô cirúrgico teleoperado, demonstrando as principais falhas de segurança nas máquinas que podem, algum dia, substituir as mãos de cirurgiões em hospitais por todo o mundo. Caramba.

Quando os cirurgiões treinados estão a uma viagem de avião de distância, robôs operados remotamente podem salvar vidas. Os médicos vêm realizando procedimentos telecirúrgicos desde 2001, quando um cirurgião em Nova Iorque removeu com sucesso a vesícula biliar de uma paciente na França. A telecirurgia ainda está longe de ser uma realidade acessível a todos. No entanto, ela pode muito bem vir a estar no futuro, já que a indústria médica está adotando rapidamente robôs em muitos aspectos do atendimento ao paciente.

As vantagens da cirurgia remota podem ser óbvias, mas como qualquer ferramenta que conta com as telecomunicações, há riscos de segurança inerentes. A comunicação entre o cirurgião e o robô normalmente ocorre através de redes públicas, e em alguns casos, conexões de internet precárias. Para explorar como ciberataques poderiam interromper um robô cirúrgico, pesquisadores de segurança usaram o Raven II, um robô médico com dois braços cirúrgicos que são manipulados através de um console de controle super-avançado que inclui de vídeo e feedback tátil. Os pesquisadores controlaram o robô através de uma conexão de rede padrão, usando-o para mover blocos de borracha.

A MIT Tech Review descreve os experimentos dos pesquisadores:

A equipe testou três tipos de ataques. A primeira muda os comandos enviados pelo operador para o robô, suprimindo, atrasando ou reordenando as instruções. Isto faz com que o movimento do robô se torne defeituoso e difícil de controlar.

O segundo tipo de ataque modifica a intensidade de sinais do operador para o robô, alterando, por exemplo, a distância que um braço deve se mover ou a que grau ele deve girar, coisas desse tipo. “A maior parte desses ataques teve um impacto notável sobre o Raven imediatamente depois de serem executados”, diz Bonaci e sua equipe.

A última categoria de ataque é um sequestro que toma completamente o controle sobre o robô. Este acaba sendo relativamente fácil, já que o protocolo Interoperable Telesurgery Protocol está disponível publicamente. “Nós efetivamente assumimos o controle sobre o processo de teleoperação”, dizem os pesquisadores.

Eles ainda conseguiram descobrir como gerar movimentos que desencadearam um mecanismo automático de parada que vem embutido no robô. (…) Enviando constantemente comandos que desencadearam este mecanismo, a equipe foi capaz de realizar um tipo de ataque de negação de serviço. “Somos capazes de parar facilmente o robô e impedi-lo de ser adequadamente reiniciado, efetivamente tornando um procedimento cirúrgico impossível”, dizem eles.

Então, sim, isso tudo parece muito ruim. Como um último golpe de misericórdia, os pesquisadores observaram que a conexão de vídeo do robô era acessível ao público, o que significa que qualquer um poderia assistir à operação em tempo real.

Muitos tipos de ataques cibernéticos poderiam ser evitados criptografando as comunicações entre o console de controle e o robô. Mas, como todos nós bem sabemos, hackers espertos às vezes podem encontrar maneiras de contornar mesmo os sistemas de segurança mais sofisticados. Parece que os médicos, gestores políticos e o público terão que fazer algumas escolhas difíceis sobre o nível de segurança aceitável para a telecirurgia. E se nós queremos evitar uma cena de filme de terror, é uma conversa que precisamos ter com certa urgência.

FONTE: http://gizmodo.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…