Pular para o conteúdo principal

ESA confirma local de aterrissagem do Philae


Ampliação da região que contém o Local J, o local de aterragem do Philae, localizado na "cabeça" do Cometa 67P/Churyumov–Gerasimenko. O mosaico é constituído por duas imagens obtidas pela câmara OSIRIS da Rosetta no dia 14 de Setembro de 2014 a partir de uma distância de aproximadamente 30 km. O círculo está centrado no local de aterragem e mede mais ou menos 500 metros em diâmetro.
Crédito: ESA/Rosetta/MPS para Equipa OSIRIS MPS/UPD/LAM/IAA/SSO/INTA/UPM/DASP/IDA

A ESA deu luz verde à aterragem do módulo Philae da sonda Rosetta, no local escolhido no Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko e no dia 12 de Novembro, a primeira tentativa de aterrar num cometa.

O local de pouso do Philae, atualmente conhecido como Local J e localizado no mais pequeno dos dois 'lóbulos' do cometa, foi confirmado no passado dia 14 de Outubro após uma revisão abrangente de prontidão.

Desde a chegada, a missão tem realizado um levantamento e uma análise científica inédita do cometa, um remanescente das fases iniciais da história de 4,6 mil milhões de anos do Sistema Solar.

Ao mesmo tempo, a Rosetta tem vindo a aproximar-se do cometa: começando a 100 km no dia 6 de Agosto, está agora a apenas 10 km do centro do corpo com 4 km de comprimento. Isto permitiu um olhar mais detalhado sobre os locais de aterragem principal e secundário a fim de realizar uma avaliação completa de risco, incluindo um censo detalhado no que toca a pedregulhos e rochas.

A decisão de fazer aterrar o Philae no Local J também confirma a cronologia dos eventos que antecedem o pouso.

A Rosetta vai libertar o Philae às 08:35 GMT/09:35 CET de dia 12 de Novembro a uma distância de aproximadamente 22,5 km do centro do cometa. A aterragem ocorrerá cerca de sete horas depois por volta das 15:30 GMT/16:30 CET.

Tendo o sinal entre a Rosetta e a Terra um tempo de viagem unidirecional [no dia 12 de Novembro] de 28 minutos e 20 segundos, isto significa que a confirmação da separação chegará às estações terrestres às 09:03 GMT/10:03 CET e a da aterragem por volta das 16:00 GMT/17:00 CET.

"Agora que sabemos o nosso local de aterragem, estamos um passo mais perto de levar a cabo esta emocionante - mas de alto risco - operação," afirma Fred Jansen, gerente da missão Rosetta da ESA.

"No entanto, ainda existem uma série de marcos importantes a completar antes de darmos o 'Go' final para a aterragem."

Têm que ser tomadas várias decisões "Go/No-Go" antes da separação, começando dia 11 de Novembro com a confirmação da equipa de dinâmica de voo de que a Rosetta está na trajetória certa antes da libertação do "lander."

Outras decisões serão tomadas na noite de 11 para 12 de Novembro, quanto à disponibilidade e ligação de comandos, culminando com a confirmação da prontidão do módulo para separação.

Uma pequena manobra deverá então ter lugar cerca de duas horas antes da separação. Isto vai colocar a Rosetta na posição ideal para libertar o Philae e para este aterrar no cometa. O "Go/No-Go" final para a separação ocorrerá pouco tempo depois desta manobra.

Após a separação do Philae, a Rosetta manobrar-se-á para cima e para longe do cometa, antes de se reorientar a fim de estabelecer comunicações com o módulo de aterragem.

"Caso alguma das decisões resulte num 'No-Go', a equipa terá que abortar e rever o cronograma em conformidade com uma nova tentativa, certificando-se que a Rosetta está numa posição segura para tentar de novo," comenta Fred Jansen.

Se tudo correr bem, a Rosetta e o Philae começarão as comunicações cerca de duas horas após a separação.

Durante a descida de sete horas, o Philae vai capturar imagens e levar a cabo experiências científicas, "provando" o ambiente de poeira, gás e plasma que rodeia o cometa.

Vai capturar uma imagem de "despedida" da sonda Rosetta pouco depois da separação, juntamente com uma série de imagens à medida que se aproxima da superfície do cometa. Espera-se que as primeiras imagens dessa sequência sejam recebidas na Terra poucas horas após a separação.

Uma vez em segurança à superfície, o Philae capturará um panorama dos seus arredores. Novamente, espera-se receber o panorama cá na Terra várias horas depois.

A primeira sequência de experiências científicas à superfície começará cerca de uma hora depois da aterragem e terá a duração de 64 horas, limitadas pelo tempo de vida da bateria principal do módulo.

O estudo a longo prazo do cometa pelo Philae vai depender de quanto tempo e quão bem as baterias são capazes de recarregar, o que por sua vez está relacionado com a quantidade de poeira que assentar nos seus painéis solares.

Em todo o caso espera-se que em Março de 2015, quando o cometa se aproximar mais do Sol, que as temperaturas dentro do Philae alcancem níveis demasiado elevados para continuar as operações, e a missão científica do Philae chegará ao fim.

A missão da sonda Rosetta vai continuar por muito mais tempo. Vai acompanhar o cometa à medida que este cresce em atividade até à sua maior aproximação do Sol em Agosto de 2015 e, de seguida, enquanto se afastam novamente para o Sistema Solar exterior.

Esta missão sem precedentes vai estudar como um cometa evolui e dar importantes informações sobre a formação do nosso Sistema Solar, as origens da água e, talvez, até mesmo da vida na Terra.



FONTE: ASTRONOMIA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…