Pular para o conteúdo principal

Laniakea, o ‘endereço’ da Via Láctea


Vizinhança cósmica: Contorno em laranja marca as fronteiras do superaglomerado de galáxias Laniakea, lar da Via Láctea (no ponto azul), rodeado pelos superaglomerados Peixes-Perseu (à direita), Coma (acima) e Shapley (no alto à esquerda) – Divulgação/Nature

O Grupo Local, conjunto de galáxias ao qual pertence a Via Láctea, ocupa apenas uma pequena esquina na periferia de um superaglomerado com cerca de 520 milhões de anos-luz de diâmetro que abriga outras 100 mil galáxias com uma massa total estimada em mais de 100 quatrilhões de sóis. Batizado Laniakea — palavra que une os termos havaianos para “céu” (lani) e “espaçoso”, “imensurável” (akea) —, esse superaglomerado teve seus limites identificados e mapeados pela primeira vez por um grupo internacional de astrônomos liderado por R. Brent Tully, da Universidade do Havaí, principal autor de artigo sobre o estudo, publicado na edição desta semana da revista “Nature”.
— Finalmente estabelecemos os contornos que definem o superaglomerado de galáxias que chamamos de nosso lar — diz Tully. — Isso não é muito diferente de descobrir pela primeira vez que sua cidade natal é na verdade parte de um país muito maior que faz fronteira com outras nações.

Medindo o “imensurável”
Para medir o “imensurável” e chegar ao endereço exato da Via Láctea na nossa vizinhança cósmica, Tully e colegas analisaram levantamentos astronômicos com dados sobre distância e movimento relativo de mais de 8 mil galáxias no Universo próximo. Com isso, eles puderam descontar os efeitos da expansão do espaço — em ação desde o Big Bang e que aparentemente está sendo acelerada pela misteriosa energia escura — para chegar ao que chamaram de “velocidades peculiares” dessas galáxias.
Os resultados dessas “velocidades peculiares” foram passados então por um algoritmo especial que revelou os fluxos gerais de movimento das galáxias rumo a diferentes “poços gravitacionais” em um volume que se espalha por mais de 1,5 bilhão de anos-luz de diâmetro, tal como a água flui de montanhas por diferentes caminhos e riachos para vales separados. Isso permitiu aos cientistas estabelecer os contornos e limites das várias “bacias” no nosso canto do Universo, que, além do Laniakea, abriga os também superaglomerados Peixes-Perseu, Coma e Shapley, assim como o papel do chamado Grande Atrator, região da nossa vizinhança cósmica que, como o nome indica, parece atrair as galáxias à sua volta. Problema que desafiou os astrônomos nas últimas três décadas, o Grande Atrator seria o poço gravitacional principal de Laniakea, influenciando o movimento de todas as galáxias do nosso superaglomerado.
— Em uma massa de terra, a água flui em determinadas direções e, mesmo que o terreno seja muito plano, ela “sabe” qual é a direção morro abaixo — compara o astrônomo.
Tully destaca, porém, que o Grande Atrator e, por consequência, Laniakea como um todo também parecem estar sendo “puxados” na direção do superaglomerado de Shapley, a 650 milhões de anos-luz de distância, o que abre a possibilidade de ambos serem parte de uma estrutura ainda mais gigantesca. Para entender o que está acontecendo neste caso, porém, será necessário obter os dados sobre distância exata e movimento relativo (e, com isso, as “velocidades peculiares”) de galáxias bem mais longínquas que as dos levantamentos usados no estudo, trabalho ainda mais desafiador devido aos próprios erros inerentes dessas medições com as tecnologias atuais — erros que aumentam quanto mais longe está a galáxia.
— Encontramos nosso endereço local, mas também já observamos que nossa base de atração está sendo puxada por outra base de atração e não entendemos realmente o porquê disso — reconhece Tully. — Ainda não vimos os limites externos de nossos (superaglomerados) vizinhos nem fomos longe o bastante para compreender completamente o que provoca toda a movimentação de nossa galáxia.



FONTE: ASTRONOMIA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…