Pular para o conteúdo principal

O caso Friendship italiano (legendado)


Professor Stefano Breccia, uma das principais testemunhas do caso












FONTE: TERCER MILENIO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma Nova Etapa!

Passados dez anos, Ufos Wilson trocou de nome e plataforma! Agora nos chamamos Banco de Dados Ufológicos e Científicos (BDUC). Nosso conteúdo segue o mesmo, levando informações sérias com foco principal na Ufologia Científica, porém divulgando e abrangendo todas as disciplinas científicas! A seguir o link do site, compartilhem e divulguem: https://bancodedadosufologicosecientificos.wordpress.com/

Astrônomos apressados não encontram sinais de vida alienígena

Lembrando aranhas, as antenas do radiotelescópio MWA são dispostas em grupos. [Imagem: Dragonfly Media] FM cósmica Uma campanha de observação de busca por inteligências extraterrestres (SETI: search for extraterrestrial intelligence) terminou sem encontrar vestígios dos ETs. Ou, pelo menos, qualquer inteligência extraterrestre que calhe de viver no ponto do céu vasculhado pela equipe não encontrou nas frequências de FM um meio adequado para enviar comunicações de longa distância. E os professores Chenoa Tremblay e Steven Tingay também não parecem muito pacientes: enquanto o Projeto SETI tradicional, atualmente sediado na Universidade de Berkeley, trabalha há mais de 40 anos analisando dados, a dupla australiana anunciou seus resultados depois de 17 horas de observações. A dupla usou um radiotelescópio experimental, chamado MWA (Murchison Widefield Array), captando emissões de rádio similares às das rádios FM terrestres. O detalhe é que precisariam ser emissões extremament

O que explica a surpreendente existência de ferrugem na Lua

A Lua não tem atmosfera, ou seja, não tem oxigênio, e por isso o achado de óxido é surpreendente - GETTY IMAGES Uma parte da Lua tem traços de ferrugem, embora o satélite não tenha oxigênio. Pesquisadores do Jet Propulsion Laboratory (JPL, sigla em inglês de Laboratório de Propulsão a Jato) da Nasa e de universidades americanas encontraram hematita, uma forma de óxido de ferro, nas regiões polares da lua. Este óxido requer a presença de água líquida e oxigênio para se formar. O óxido na superfície de Marte é o que lhe dá sua cor avermelhada e sugere que o planeta já teve água e oxigênio. A Lua não tem atmosfera, ou seja, não tem oxigênio, e prevalece o ferro metálico puro, por isso o achado do óxido é surpreendente. Mas os cientistas acreditam ter encontrado o culpado pela oxidação do nosso satélite: o oxigênio da Terra. Como isso aconteceu? Amostras lunares trazidas à Terra pelas missões Apollo da Nasa não mostraram sinais da presença de ferro oxidado. Mas os pesquis