Pular para o conteúdo principal

Sol: estudo mostra que super flare destruiria camada de ozônio


Em 1859, uma violenta explosão solar praticamente bloqueou todas as comunicações telegráficas do planeta, eletrocutando técnicos e produzindo auroras boreais até nas latitudes baixas. Agora, um novo estudo mostra que se ocorresse uma super explosão solar, as consequências seriam ainda piores.

O estudo, publicado no periódico científico Nature foi realizado a partir de observações feitas com o telescópio espacial Kepler, da Nasa, que observa cerca de 100 mil estrelas em uma porção de céu situada entre 600 e 3 mil anos-luz da Terra. Durante 120 dias o telescópio registrou 368 super flares e para nossa sorte, apenas 0,2% das estrelas similares ao Sol apresentam explosões desse tipo.

Diferentes dos flares comuns produzidos pelo Sol, os super flares podem ser 10 mil vezes mais intensos, mas de acordo com Hiroyuki Maehara, da Universidade de Kyoto, no Japão, esses eventos são pouco frequentes em estrelas de baixa rotação, como nosso Sol.

Além disso, os padrões registrados pelo telescópio Kepler indicam que essas super explosões podem estar associadas às interações magnéticas entre os planetas gigantes que orbitam próximos às estrelas, configuração diferente do nosso Sistema Solar onde os gigantes gasosos Júpiter e Saturno orbitam longe da estrela-mãe.

Mesmo sendo pouco provável a ocorrência de um super flare em nosso Sol, os cientistas não podem deixar de especular sobre o impacto que uma explosão desse tipo teria sobre a Terra. Segundo alguns modelos computacionais, na hipótese da Terra ser atingida diretamente por um super flare a camada de ozônio seria praticamente varrida, aumentando fortemente o nível de radiação ao nível do solo o que poderia provocar extinções generalizadas de algumas espécies.

Apesar dos super flares parecerem mortais a primeira vista, o estudo também mostra que alguns sistemas planetários distantes se beneficiariam do fenômeno, com o impacto das partículas carregadas fornecendo energia suficiente às atmosferas e iniciando as reações químicas necessárias ao desenvolvimento biológico.


A mais intensa
A tempestade geomagnética mais intensa que se tem registro foi denominada Evento Carrington e ocorreu entre agosto e setembro de 1859. A intensa tormenta foi testemunhada pelo astrônomo britânico Richard Carrington, que observou o fenômeno através da projeção da imagem do sol em uma tela branca. Na ocasião, a atividade geomagnética disparou uma série de explosões nas linhas telegráficas, eletrocutando técnicos e incendiando os papéis das mensagens em código Morse.

Relatos informam que as auroras boreais foram vistas até nas latitudes médias ao sul de Cuba e Havaí. Nas Montanhas Rochosas, no oeste da América do Norte, as auroras eram tão brilhantes que acordavam os camponeses antes da hora, que pensavam estar amanhecendo. As melhores estimativas mostram que o Evento Carrington foi 50% mais intenso que a supertempestade de maio de 1921.

FONTE: APOLO11.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…