Pular para o conteúdo principal

Projeto "Guerra nas Estrelas"


Representação artística de uma arma a laser baseada no espaço, 1984.

A Iniciativa Estratégica de Defesa, também conhecida por Iniciativa de Defesa Estratégica (tradução do nome oficial em inglês: Strategic Defense Initiative) é o nome dado ao programa militar estadunidense proposto pelo Presidente Ronald Reagan, para construir um sistema de defesa que fosse capaz de impedir um ataque nuclear contra o território dos Estados Unidos. O programa também ficou conhecido como "guerra nas estrelas".

O programa foi lançado oficialmente em 1983, no auge das tensões que marcaram a II Guerra Fria entre EUA e URSS, durante os anos 1980. Este projeto consistia em um conjunto de sistemas de radares de longo alcance instalados em terra, combinados com sistemas de mísseis anti-balísticos e uma complexa rede de satélites artificiais, que incluiria desde sistemas de localização e rastreamento de mísseis balísticos, até sistemas com capacidade bélica múltipla ofensiva-defensiva, como armas a laser e armas cinéticas, capazes de destruir mísseis balísticos no auge de sua trajetória, quando estão no espaço [4]
O SDI previa transformar esta rede de sistemas anti-mísseis balísticos em um verdadeiro "escudo espacial", munido de armamentos capazes de interceptar, à partir do espaço, quaisquer mísseis balísticos lançados contra o território dos Estados Unidos.
A idéia, considerada mirabolante por parte da opinião pública, teria um custo de 100 a 200 bilhões de dólares e levaria ao menos duas décadas para ser finalizado.
O objetivo estratégico deste projeto era dar aos Estados Unidos o monopólio do poder espacial, acabando com a capacidade soviética de atacar o território americano com seus mísseis balísticos intercontinentais munidos de armas nucleares, ou seja, estabelecendo o "monopólio nuclear" efetivo nas mãos dos Estados Unidos. Isto acabaria com o equilíbrio nuclear existente na Guerra Fria, conhecido como MAD. O MAD, ou Destruição Mútua Assegurada era baseado na idéia de que nenhuma das duas superpotências começaria uma guerra nuclear devido ao medo de que seu território também fosse atacado e destruído por armas nucleares. Durante toda a Guerra Fria, as duas superpotências sempre tiveram medo de que se lançasem um grande ataque nuclear devastador contra o adversário, mesmo destruindo parte do arsenal nuclear do inimigo, este poderia responder com outro ataque nuclear, pois teria diferentes tipos de sistemas de lançamento de armas nucleares que poderiam ser mantidos intactos (como mísseis balísticos estocados em depósitos subterrâneos blindados, mísseis balísticos móveis transportados em caminhões ou trens e submarinos nucleares lançadores de mísseis balísticos). Assim, estes sistemas poderiam sobreviver ao primeiro ataque ser utilizados para contra-atacar. Isto significa que a posse de um grande arsenal nuclear e de meios efetivos de lançar armas nucleares após um ataque nuclear (capacidade de segunda ataque), teria poder dissuarósio (ver dissuasão) contra qualquer iniciativa de lançar um primeiro ataque nuclear.

Caso os Estados Unidos tivessem sucesso em construir este sistema, teriam simultâneamente o monopólio do poder espacial e o monopólio nuclear. Mesmo que não tivesse o monopólio nuclear, na pior das hipóteses, teria a "primazia nuclear", o que poderia permitir lançar um ataque nuclear massivo contra a União Soviética, sem o medo de receber qualquer retaliação do mesmo nível (um contra-ataque nuclear).
Para fazer frente à ameaça representada por este projeto, a União Soviética lançou-se em uma nova e dispendiosa corrida espacial com os EUA, que incluiu o desenvolvimento de uma nova série de foguetes espaciais e mísseis balísticos intercontinentais, incluindo um ônibus espacial, o Buran. O auge da resposta soviética foi o lançamento ao espaço da Polyus, uma nave espacial não-tripulada, guiada por laser, armada com ogivas nucleares que poderiam ser lançadas diretamente do espaço contra alvos em terra ou no espaço mesmo. A Polyus foi lançada ao espaço em 1987 pelo foguete Energia e derrubada logo em seguida, não se sabe ao certo se por acidente, ou de forma planejada, pelos partidários do fim da Guerra Fria e da corrida armamentista com os Estados Unidos, que se mostrava muito custosa para a URSS.
O programa "guerra nas estrelas" foi um produto da fase final da Guerra Fria travada entre os EUA e a antiga URSS, podendo ser entendido, também, sob o ponto de vista da política interna dos EUA, como um projeto típicamente neoconservador, defendido pelo Partido Republicano dos Estados Unidos. Nos anos 2000 este programa foi reativado pelo Governo Bush, sob o nome de "Escudo anti-mísseis", desta vez mais focado em sistemas de defesa anti-mísseis balísticos localizados em terra do que necessariamente no espaço. O programa gerou grandes polêmicas com a Rússia e a China e acabou sendo parcialmente paralisado na gestão do Presidente Barack Obama.

FONTE: wikipedia.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…