Pular para o conteúdo principal

Música no LHC

Os cientistas no Large Hadron Collider (LHC), no Franco-suíço desenvolveu uma maneira de fazer o som da colisão de partículas subatômicas.


Agora, eles esperam que com este método para detectar o indescritível, hipotético bóson de Higgs, a chamada partícula de Deus.

O Higgs nunca foi visto, mas se poderia explicar a origem da massa das outras partículas elementares e responder a muitas perguntas sobre a origem do universo.

No LHC, o maior acelerador de partículas do mundo, estão conduzindo experimentos em que partículas minúsculas são feitas para se mover em direções opostas ao mesmo tempo no túnel de 27 quilômetros de diâmetro.

O objetivo é produzir uma colisão de partículas para recriar as condições que foram apresentadas em conjunto, após o Big Bang.

Agora, a medição do som produzido por estas colisões poderiam ser usadas para procurar o boson de Higgs, dizem cientistas.

Dr. Lily Asquith, que conduziu o modelo de dados no experimento LHC, trabalhei com engenheiros de som para converter os dados esperados das colisões de sons.

"Se a energia está perto de você ouvirá um tom baixo e se você for embora você ouvirá um estridente" o cientista à BBC.

"Se se trata de grandes quantidades de energia será muito mais forte e se pouca energia será mais fraca do tom."

No túnel circular do LHC, existem milhares de ímãs que guiam os feixes de prótons de partículas em torno do anel "enorme".

Em alguns pontos ao redor do túnel, os feixes se cruzam e se chocam umas com as outras quatro "subexperimentos" monitor maciça destas colisões.

Os cientistas esperam que essas colisões no surgimento de novas partículas subatômicas, que pode revelar novas informações sobre a origem do cosmos.

Em um desses experimentos, denominado Atlas, foi realizada a medição do som.

Dentro dele é um instrumento, o calorímetro, que é usado para medir a energia e consiste de sete camadas concêntricas.

Cada camada é representada por uma nota e tom de cada um destes difere da quantidade de energia que é depositado nessa camada.

O processo de conversão de dados científicos em som é chamado de sonorização.

Até agora, Dr. Asquith e sua equipe têm gerado uma série de simulações baseadas em previsões de que poderia ocorrer durante as colisões no LHC.

"Quando você ouvir o que eles realmente estão ouvindo o sonificaciones dados científicos. Estes são autênticos, e você está dizendo algo sobre os dados que não poderiam conhecer", disse Archer Endrich, um engenheiro de software que trabalham no projeto.

O objetivo é fornecer físicos outra maneira de analisar os dados do LHC. A equipe acredita que as orelhas sonorização são melhor adaptados para o olho para detectar mudanças sutis que podem indicar a presença de uma nova partícula.

Richard Dobson, um compositor que também está envolvido no projeto, disse que ficou surpreso com o som musical da colisão.

"Nós podemos ouvir o som inclui estrutura clara, quase como se tivessem sido feitas."

"Eles parecem contar uma história. Não é muito dinâmico e mudam o tempo todo, e soa como a música que você ouve em composições contemporâneas", acrescenta.

Embora o projeto se destina a fornecer os físicos de partículas de uma nova ferramenta de análise, Endrich Archer acredita que este poderia também permitir que os sons harmônicos vez ouvir de fundo no universo.

O cientista espera que a colisão de partículas irá revelar "algo novo e algo importante sobre a natureza do universo."

Fonte: BBC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…